Início do conteúdo
Notícias Corpo de Dança do Amazonas se apresenta no Festival Funarte Acessibilidança

Funarte Notícias

Publicado em 29 de junho de 2021

Corpo de Dança do Amazonas se apresenta no Festival Funarte Acessibilidança

Montagem "Solatium", em vídeo com audiodescrição e Libras, será exibida on-line, a partir de 30 de junho, gratuitamente

Corpo de Dança do Amazonas se apresenta no Festival Funarte Acessibilidança Espetáculo “Solatium”, do Corpo de Dança do Amazonas (Divulgação)

A Fundação Nacional de Artes – Funarte, em continuidade à programação do Festival Funarte Acessibilidança, apresenta, nesta quarta-feira, 30 de junho, o espetáculo Solatium, do Corpo de Dança do Amazonas (CDA). O grupo, criado em 1998, tem sólida trajetória de prêmios e apresentações no Brasil e no exterior. A exibição foi gravada especialmente para o Acessibilidança, com recursos de acessibilidade (Libras e audiodescrição), e fica disponível no canal da Funarte no YouTube. A montagem encerra a agenda da região Norte no festival, que segue com projetos das outras regiões do País, até outubro.

O renomado bailarino e professor Mário Nascimento dirige o CDA desde o início de 2020. Ele criou e coreografou Solatium durante o período de distanciamento social, com todo o elenco participando do processo de criação. “Com a pandemia, no momento de uma crise muito forte, a companhia se colocou à disposição para continuar trabalhando e para construir uma obra que começou a ser elaborada on-line e de forma coletiva”, destaca Nascimento.

A trilha musical é composta pelos Divertimentos (Eine Kleine Nachtmusik), de Mozart, por sugestão do maestro Marcelo de Jesus, da Orquestra de Câmara do Amazonas (OCA), parceira da montagem. Solatium, em latim, significa “solaz”, palavra associada a “distração”, “divertimento” e “consolação”. “O espetáculo de dança é consolador, traz alegria e descontração. Assim como a música utilizada: um divertimento, em que Mozart faz uma ode ao ato de brincar”, explica o diretor do coletivo.

Espetáculo “Solatium”, do Corpo de Dança do Amazonas (Divulgação)

Com o prêmio Acessibilidança, o CDA investiu na inclusão de ferramentas de acessibilidade para Solatium. Para Nascimento, a iniciativa da Funarte de promover um festival de âmbito nacional, em um momento tão complicado, é “maravilhosa”. Ele também fala sobre a importância do espetáculo para o grupo: “É um trabalho de superação e de dedicação da companhia ter conseguido fazer uma obra relevante para o CDA neste momento”.

O coletivo informou que os ensaios e a gravação foram realizados seguindo estritamente as medidas sanitárias para enfrentamento da covid 19.

Sobre o diretor e coreógrafo

Mário Nascimento nasceu em Cuiabá (MT). Iniciou carreira em São Paulo (SP). Formado por grandes nomes da linguagem artística como Toshie Kobayashi, Lennie Dale e Tony Abbot, consolidou forte trajetória profissional no Brasil e no exterior. Foi autor e coreógrafo para reconhecidos grupos brasileiros. Tem produzido também para a própria companhia, que leva seu nome. O artista já havia colaborado com o CDA, com o espetáculo criado por ele, Cabanagem, também apresentado com audiodescrição, em 2010.

O Corpo de Dança do Amazonas (CDA)

Com um elenco que, em geral, soma 23 bailarinos, o Corpo de Dança do Amazonas foi criado em 1998 para integrar os corpos artísticos do Teatro Amazonas – gerenciado pelo Governo desse Estado, por meio da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Amazonas, em parceria com a Agência Amazonense de Desenvolvimento Cultural (AADC). O repertório do coletivo conta com mais de 60 obras, criadas com a colaboração de artistas do Brasil e do exterior, entre elas: Mandala, de Luiz Arrieta; Another time to breath, de Ronald Brown; e Grito Verde, de Ivonice Satie. O CDA participou de eventos nacionais e internacionais importantes, como Latinidades (2003) e Ano do Brasil na França (2005). Recebeu convite para participar de festivais nacionais e internacionais; ganhou prêmios; e foi contemplado em editais de diversas instituições. Realiza, ainda, atividades escolares e de experiência profissional com a população, como os projetos Dança, arte e escola: Espetáculo didático e CDA de Portas Abertas.

O Festival Funarte Acessibilidança

O Festival Funarte Acessibilidança, em estreia na instituição, foi criado a partir das ações do Prêmio Festival Funarte Acessibilidança Virtual 2020. No concurso público, foram premiados 25 projetos de vídeos de espetáculos, que promovem o acesso de todas as pessoas à arte. Cada contemplado no edital tem direito a um prêmio de R$ 31,2 mil, em um total de R$ 810 mil – sendo R$ 30 mil reservados a custos administrativos.

Com a iniciativa, a Funarte busca realizar novas ações a partir do uso das mais recentes tecnologias, estendendo, desse modo, um novo modelo para todo o Brasil. Assim, a Fundação reforça seu compromisso de promover e incentivar a produção, a prática, o desenvolvimento e a difusão das artes no país; e de atuar para que a população possa cada vez mais usufruir das manifestações artísticas. Criada em 1975, a Funarte segue, portanto, empenhada em acompanhar as transformações no cenário artístico e social.

O coordenador de Dança da entidade, Fabiano Carneiro, destaca a importância de se levar essa linguagem artística à população, durante o período de distanciamento social. “Estamos estreando o Festival Funarte Acessibilidança, um projeto inédito com foco na acessibilidade e na inclusão. Ao longo dos próximos meses, serão apresentados espetáculos de dança das cinco regiões do Brasil, plenamente acessíveis ao público, contemplando uma enorme diversidade na sua programação”, explica o coordenador.

O festival foi lançado no dia 16 de junho, com o espetáculo Lua de Mel, da Cia. Lamira Artes Cênicas (Tocantins). Na semana seguinte, foi exibido Maculelê: Reconstruindo o Quilombo, do Grupo de Dança Reconstruindo o Quilombo (Rondônia). Solatium encerra a programação de companhias da Região Norte. Na próxima semana, dia 7 de julho, será publicado o primeiro espetáculo da Região Sul, a ser anunciado em breve. Os projetos contemplados nas demais regiões do País serão exibidos em seguida, até outubro, por meio do canal da Funarte no YouTube (bit.ly/FunarteYouTubeFestivalAcessibiliDanca).

No decorrer das apresentações, o coordenador de Dança da Fundação, Fabiano Carneiro, participará de uma “live” com diretores e artistas de dança, além de convidados.


Festival Funarte Acessibilidança

Acesso gratuito, no canal: bit.ly/FunarteYouTubeFestivalAcessibiliDanca 

 

Dia 30 de junho, quarta-feira, às 20h

Espetáculo Solatiumdo Corpo de Dança do Amazonas

Com audiodescrição e Libras


Outros vídeos de contemplados da Região Norte, já disponíveis:

Lua de Mel, da Cia. Lamira Artes Cênicas (Tocantins)

Maculelê: Reconstruindo o Quilombo, do Grupo de Dança Reconstruindo o Quilombo (Rondônia)

 

Agenda dos contemplados das demais regiões

Região Sul – Dia 7 de julho

Região Nordeste – Dia 28 de julho

Região Centro-Oeste – Dia 15 de setembro

Região Sudeste – Dia 13 de outubro

 

Os vídeos ficarão disponíveis no canal da Funarte no YouTube após a exibição

 

Realização

Fundação Nacional de Artes – Funarte | Centro de Artes Cênicas | Coordenação de Dança

Secretaria Especial da Cultura | Ministério do Turismo | Governo Federal

 

Mais informações para o público: danca@funarte.gov.br

Outras ações e editais da Funarte: www.funarte.gov.br