Funarte MG recebe mostra de espetáculos ‘BH in Solos’ | Funarte – Portal das Artes
Você está em: Página InicialTeatroTodas as notíciasFunarte MG recebe mostra de espetáculos ‘BH in Solos’

Funarte MG recebe mostra de espetáculos ‘BH in Solos’

Programação, em cartaz a partir de 13 de novembro, tem ingressos a preços populares

Publicado em 10 de novembro de 2014 Imprimir Aumentar fonte
‘Con mis pies en tu tierra’ – Foto: Rodrigo León
‘Con mis pies en tu tierra’ – Foto: Rodrigo León

Agora em novembro, entre os dias 13 e 23, a Funarte MG recebe a segunda edição do projeto BH in Solos – Mostra de Espetáculos Cênicos Individuais. Na programação estão oito solos de teatro, dança e performance, selecionados a partir de um edital que recebeu inscrições de 40 espetáculos de quatro países da América Latina. O objetivo do projeto é dar visibilidade à crescente produção de espetáculos solo em Belo Horizonte, nos mais variados gêneros e linguagens. As atrações integram o projeto ‘Ocupação 3.0 – De Lá pra Cá, realizado pela Cia. Drástica de Artes Cênicas, e que até novembro ocupa o espaço da Funarte na capital mineira.

No dia 13, a atriz Heloisa Marina interpreta Poses para (não) esquecer; no dia 14, Lucas Costa apresenta Memórias Póstumas de Um Neguinho, de sua própria autoria; no dia 15, um grupo de atores colombianos traz à capital mineira Con Mis Pies em Tu Tierra; no dia 16, é a vez de Kelly Crifer subir ao palco com o seu Ensaio para Senhora Azul. Na sequência, serão apresentados: Discurso do Coração Infartado, no dia 20 de novembro; Bestiário, no dia 21; A projetista, no dia 22 e, encerrando a programação, Desmemória América Latina, no dia 23 de novembro. Confira, abaixo, a sinopse, de cada espetáculo. Os ingressos custam R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia). A mostra BH in Solos é apresentada de quinta a sábado, às 20h; e domingo, às 19h.

BH In Solos – Mostra de Espetáculos Cênicos Individuais
De 13 a 23 de novembro

Espetáculos

Poses Para (não) Esquecer (Heloisa Marina – Florianópolis)
13 de novembro

Classificação: 12 anos
Duração: 60 minutos

O que a história da nossa família diz sobre a gente? Somos um pouco desses estranhos que aparecem nas fotos em preto e branco? O que eles revelam sobre o que somos hoje? Em Poses para (não) esquecer, Heloisa Marina confronta as lembranças das histórias de guerra, contadas pela avó imigrante polonesa, com suas diversas versões, fundindo os fatos e fábulas de sua família com questões íntimas e coletivas.

Ficha técnica

Direção e iluminação: Elisza Peressoni Ribeiro
Atuação e produção: Heloisa Marina
Dramaturgia: André Felipe
Direção de Arte: Taiane
audiovisual: VALENT
Preparação vocal: Fernanda Rosa
Arte gráfica: Maria Carolina Vieira

Heloisa Marina é atriz da Dearaque Cia. e Cia. Entrecontos de Florianópolis/SC. É doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Teatro da Universidade Estadual de Santa Catarina e mestre em teatro, tendo pesquisado processos de autobiografia na composição teatral. O solo da atriz Poses para (não) esquecer já se apresentou em diferentes cidades de Santa Catarina, Mato Grosso, Rio Grande do Norte e Chile.

Memórias Póstumas de Um Neguinho (Zap 18 – Belo Horizonte)
14 de novembro

Classificação: Livre
Duração: 70 minutos

O solo conta, a partir de histórias pessoais, a trajetória do ator negro Lucas Costa em seu processo de autoaceitação. É dividido em dois movimentos distintos, que acontecem em sequência que se entrelaçam. Com humor e sensibilidade, o racismo é analisado das pontas até a raiz.

Ficha técnica

Atuação e texto: Lucas Costa
Dramaturgia: Dan Costa, Lucas Costa e Rogério Coelho
Direção: Cida Falabella
Preparação vocal: Maíra Baldaia e Renata Andreia
Direção de vídeo: Thiago Macêdo
Cenário e Figurino: Dan Costa e Stela Maris
Produção: Maíra Baldaia e ZAP 18
Colaboradores: Marcus Alexandre, Rodrigo Ednílson, Denise Costa, Gustavo Falabella Rocha, Tásia de Paula, Sarau Preto, A(r)mando o Black

A ZAP 18, além de um coletivo de artistas, é um espaço artístico e cultural que produz montagens teatrais e se dedica à formação de atores e educação de jovens através da arte. No seu repertório constam Esta Noite Mãe Coragem, 1961-2009 – ano VI, (1961-2014) e também o solo O ano em que virei adulto.

Con Mis Piés en Tu Tierra (Teatro el Baul – Bogotá, Colômbia)
15 de novembro

Classificação: 12 anos
Duração: 40 minutos

Em uma vereda ao norte dos Andes, uma menina aguarda o retorno do seu pai enquanto tenta defender o rancho onde vive, abalado pela frequente aparição de uma ameaça desconhecida. Para não perder o que ainda lhe resta – a memória – ela terá de resistir, refletir e lutar.

Ficha técnica

Título: CON MIS PIES EN TU TIERRA
Director: Jorge Romero Mora
Elenco: Catherine Gutiérrez Alfonso (Actriz), Oscar Armando Celis González (Músico), Jorge Heraldo Romero Mora (Director), Cristian Villamil (Asistente Técnico)

É um grupo de seis atores colombianos que por meio de linguagens teatrais constrói paralelos entre a arte e a sociedade, gerando espaços onde se propõe ao indivíduo escapar de seu cotidiano para lhe conduzir a lugares de emoção, ensino e diversão. Na área de investigação, centra-se na improvisação e no treinamento corporal, realizando vários espetáculos onde a relação com o público é fundamental.

Ensaio Para Senhora Azul (Kelly Crifer – Belo Horizonte)
16 de novembro

Classificação: 16
Duração: 40 minutos


Essa é a história de uma mulher líquida. Que despeja, molha, encharca e logo escoa, escorre, jorra depoimentos como num surto, numa escalada maníaca. Durante nossa estada diante dessa imagem, vemos, ouvimos, nomes, números, cores, sons, formas, silêncio, essas coisas para as quais a gente fica tentando encontrar alguma significação. Que porção de gotas nós somos, que todo partido, que…

Ficha técnica

Direção e dramaturgia: Robson Vieira
Atuação e dramaturgia: Kelly Crifer
A partir de textos de Grace Passô, Kelly Crifer, Robson Vieira e Viviane Ferreira
Dramaturgia: Assis Benevenuto
Colaboração artística: Viviane Ferreira
Consultoria em Figurino: Marco Paulo Rolla
Cenografia: Kelly Crifer e Robson Vieira
Assistente de cenografia e Cenotécnico: Victor Giorni
Iluminação: Marina Artuzzi e Robson Vieira
Sonoplastia: Kiko Klaus
Fotos: Guto Muniz
Colaboração técnica: Rogério Alves
Criação Gráfica: Cata Preta

Kelly Crifer e Robson Vieira, artistas de Belo Horizonte, atores do Grupo Teatro Invertido, se uniram para um experimento independente, fruto da necessidade de estar treinando o olhar sobre a criação e interpretação de um solo. Um espaço para exercitar a exposição, deixar o outro olhar, ver, ouvir, sentir, blá blá blá.

Discurso do Coração Infartado (Silvana Stein – Belo Horizonte)
20 de novembro

Classificação: Livre
Duração: 50 minutos

Discurso do Coração Infartado convida o público a observar momentos de um velho, sozinho dentro de um apartamento. Horácio, o velho cômico que sempre desejou ser um ator dramático, sofre uma noite de insônia, em que se debate entre a existência de seu corpo frágil e sua paixão pela obra Hamlet, de William Shakespeare. A profundidade da noite traz à tona a questão de sua existência: ser ou não ser. Ao mesmo tempo, a vizinha do andar de cima invade sua solitude, situando o velho no tempo presente, fazendo-o vítima de várias intempéries e maravilhas da contemporaneidade.

Ficha técnica

Direção e Dramaturgia: Ricardo Alves Jr e Silvana Stein
Atuação: Silvana Stein
Iluminação: Leonardo Pavanello
Figurino e Cenografia: Tereza Bruzzi, Ana Cardoso e Ricardo Alves Jr
Edição de som: Felipe Zenícola
Preparação Vocal: Flávia Betti
Assistente de Direção: Alexander de Morais
Preparação Clownesca e Bufonesca: Adelvane Néia
Criação de Arte Gráfica: Vinícios Souza
Produção executiva: Ricardo Alves Jr. e Silvana Stein
Realização: EntreFilmes

O espetáculo Discurso do Coração Infartado nasceu da vontade da atriz e diretora Silvana Stein trabalhar um solo, dando continuidade à sua pesquisa sobre o universo masculino. Para esse projeto, a atriz escolheu debruçar sobre o clássico Hamlet, de William Shakespeare. A atriz convidou o diretor de cinema Ricardo Alves Jr para trabalharem juntos na construção de uma obra teatral. Esse encontro reuniu as experiências dos dois realizadores: por um lado, o teatro físico de Silvana Stein; do outro lado, o cinema de Ricardo Alves Jr, que traz questões do homem comum e solitário, da presença do ator como dramaturgia de cena, da temporalidade das ações, além de uma construção cênica voltada para um teatro mais imagético e sonoro.

Bestiário (Vinícius Souza – Belo Horizonte)
21 de novembro

Classificação: 14 anos
Duração: 50 minutos

Um estranho mestre de cerimônias tem dificuldades para se comunicar com seu público. Seria mais uma noite divertida, não tivesse acontecido uma tragédia antes do espetáculo. Alguém percebeu alguma coisa? Em seu primeiro solo, Vinícius Souza explora uma labiríntica dramaturgia e uma atuação que se desdobra em mais de um personagem para contar uma história em que a natureza humana contrasta com outras formas de vida.

Ficha técnica

Dramaturgia, direção e atuação: Vinícius Souza
Colaborações artísticas: Assis Benevenuto e Sara Pinheiro
Figurino: Lira Ribas
Iluminação: Gil Ésper

Vinícius Souza é dramaturgo, ator, diretor e produtor teatral. Licenciado em Teatro pela UFMG e formado como ator pelo Cefar – Palácio das Artes. Idealizou e coordena, junto com Sara Pinheiro, o Janela de Dramaturgia. Com Assis Benevenuto, coordena o Núcleo de Pesquisa em Dramaturgia do Galpão Cine Horto. Realizou alguns espetáculos como integrante da Cia do Chá. Dentre seus últimos trabalhos estão: Três Tigres Tristes e O leão no aquário, lidos no Janela de Dramaturgia, e o roteiro do documentário Primeiro Sinal, desenvolvido com Chico Pelúcio e Rodolfo Magalhães.

A projetista (Dudude – Belo Horizonte)
22 de novembro

Classificação: 12 anos
Duração: 60 minutos

Em um projeto não existe nada além de um enorme espaço vazio a ser ocupado, sua nutrição é a vontade, o desejo de existir, de voar.  A Projetista transita por terrenos áridos, desnutridos, muito rasos. Ela se utiliza do nada para preencher o vazio do mundo. Projeta-se no espaço um pouco mais a frente. São lançadas ao vento ideias, vontades, propostas a todo instante enquadradas no formato A4.

Ficha técnica

Concepção e Interpretação: Dudude
Direção: Cristiane Paoli Quito (SP
)Assistência: Lydia Del Picchia
Figurino: Marco Paulo Rolla
Trilha Sonora: Natalia Mallo & Danilo Penteado
Desenho de Luz: Bruno Cerezoli
Tecnico de luz: Bruno Cerezoli  e Pedro Amparo
Captura de imagem e vídeo: Joacelio Batista e Frederico Herrmann
Suporte técnico de som e imagem: Frederico Herrmann
Cenotécnico: Helvécio Izabel
Produção: Patrícia Imaculada de Matos
Agente: Jacqueline Castro

Bailarina, improvisadora, coreógrafa, diretora de espetáculos, professora de dança e performer.  Integrante do Grupo Trans-Forma, nos anos 70. Dirigiu a Benvinda Cia de Dança, de 1992 a 2007.  Foi bolsista do Bolsa Virtuose 2000, em residência na França.  Em 2003, desenvolveu o projeto “Poética de um Andarilho – a escrita do movimento no espaço de fora”, viabilizado pelas Bolsas Vitae de Artes.

Desmemória América Latina (Flores de Jorge Cia Cênica – Belo Horizonte)
23 de novembro

Classificação: 14 anos
Duração: 60 minutos

A memória da América Latina que vai para além dos livros de história. Quais são as histórias que não nos contaram? Quem somos e o que valemos como povo? A complexa identidade dos latino-americanos, o que nos une e o que nos distancia uns dos outros? Estas são algumas perguntas levantadas neste discurso cênico-político-antropológico.

Ficha técnica

Direção: Rodolfo Guillén
Elenco, concepção e dramaturgia: Michelle Ferreira
Tradução do texto para o espanhol e locução: Teresa Zamorano
Iluminação: Wellington Santos
Técnico de som: Flávio Cravo
Projeto gráfico e tratamento imagens projeção: Tiago Almeida
Realização: Flores de Jorge Cia Cênica

Este é o quarto trabalho da Flores de Jorge Cia Cênica e o segundo solo da atriz Michelle Ferreira, depois dos espetáculos Hotel Açucenas (texto de Pollyana Santos e direção de Fábio Furtado), Apareceu a Margarida (texto de Roberto Athayde e direção de Camilo Lélis) e Meus Sentimentos (dramaturgia de Michelle Ferreira, Lucilene França, Iasmim Marques sob orientação de Isabel Jimenez e direção de Fábio Furtado), os dois últimos constantes no repertório atual da companhia. A peça partiu do desejo da atriz de trazer à tona questões envolvendo o conceito de latino-americanos, após incursionar pela Argentina, Cuba, Colômbia, Uruguai e México.

Local: Funarte MG – Rua Januária, 68 – Floresta – Belo Horizonte (MG)

Quinta a Sábado às 20h | Domingo às 19h

R$10 inteira | R$5 meia

Informações: (31) 3214-3258

Leia mais