Você está em: Página InicialTeatroTodas as notíciasFernanda Montenegro, no Teatro Dulcina, em “Viver sem tempos mortos”

Fernanda Montenegro, no Teatro Dulcina, em “Viver sem tempos mortos”

Dirigida por Felipe Hirsch, a atriz interpreta texto criado a partir das correspondências de Simone de Beauvoir. O espetáculo faz parte do programa de reinauguração do teatro da Funarte

Publicado em 12 de agosto de 2011 Imprimir Aumentar fonte
Fernanda Montenegro
Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro sobe ao palco do Teatro Dulcina, em curta temporada, de 19 a 21 de agosto, a preços populares, no monólogo Viver sem tempos mortos. Na montagem, a atriz interpreta textos criados a partir das correspondências trocadas entre Simone de Beauvoir e Jean Paul-Sartre. A apresentação integra a programação especial de reinauguração do Teatro, um dos espaços da Fundação Nacional de Artes (Funarte).

O espetáculo é um encontro de Fernanda Montenegro com o pensamento de Simone de Beauvoir, a grande escritora, pensadora e ensaísta francesa, que revolucionou a visão do feminino. “Fui jovem numa época emblemática. Sou de uma geração que se pronunciava e ia às ruas para pensar e sentir. Devemos refletir sobre o nosso cotidiano, sobre as nossas conquistas e, infelizmente, também pela brutalidade do nosso tempo. Neste sentido, Viver Sem Tempos Mortos oferece também uma oportunidade para que o público jovem conheça um pouco mais sobre a paixão, a energia, a audácia e as contradições humanas de Simone de Beauvoir, uma das pensadoras mais influentes do século XX. Encontrei em Felipe Hirsch o companheiro ideal para essa viagem, numa montagem corajosamente minimalista e sensibilizada. E num espaço cênico ideal, intuído pelo talento de Daniela Thomas”, afirma Fernanda.

“O espetáculo de Fernanda Montenegro traz brilho à programação de reabertura do Teatro Dulcina, que valoriza a excelência do trabalho dos artistas dos grandes centros urbanos, mas também as diversas manifestações regionais do Brasil. É com montagens como esta que a Funarte devolve à cena carioca um de seus mais importantes espaços”, destaca o Presidente da Funarte, Antonio Grassi.

Uma das propostas de Viver sem tempos mortos é partilhar com a plateia o esforço para a realização de uma montagem teatral, desde sua criação até a abertura das cortinas. Afinal, para o trabalho em teatro, há sempre uma intensa busca de informação e sensibilização sobre tudo que cerca o projeto e o texto. Isto envolve leituras, discussões, imagens, pesquisa sobre pensamentos e visões de uma época e referências gerais. Na concepção da montagem, Felipe Hirsch buscou a relação da atriz com o texto: “Instintivamente, Fernanda se aproximou de Simone de Beauvoir por meio da emoção, pela interpretação exata, tornando o espetáculo intimamente ligado às palavras, às entrelinhas”, diz o diretor.

O monólogo estreou em 2009, quando cumpriu temporada nas cidades de São Gonçalo, Nova Iguaçu, São João de Meriti, Nova Friburgo, Teresópolis, São Paulo e Rio de Janeiro.

O Teatro Dulcina – Localizado na Cinelândia, Centro do Rio de Janeiro, o espaço foi reinaugurado no dia 2 de agosto, com a presença da ministra da Cultura, Ana de Hollanda, e do presidente da Fundação Nacional de Artes, Antonio Grassi. O evento reuniu autoridades e representantes da classe teatral, na homenagem Um brinde a Dulcina! – a leitura de um depoimento de Dulcina de Moraes.

Viver sem tempos mortos

Com Fernanda Montenegro

Texto compilado a partir das correspondências de Simone de Beauvoir

19, 20 e 21 de agosto – sexta-feira a domingo,ás 19h

Teatro Dulcina
Rua Alcindo Guanabara, 17, Cinelândia, Centro
Rio de Janeiro (RJ)
Ingressos: R$ 10. Meia-entrada: R$ 5
Venda de ingressos: a partir do dia 16/08, das 14h as 19h
Duração do espetáculo: 60 minutos
Classificação etária: 16 anos

Ficha Técnica

Direção: Felipe Hirsch
Direção de Arte: Daniela Thomas
Iluminação: Beto Bruel
Seleção Musical: Fernanda Montenegro
Pesquisa e Compilação: Newton Goldman
Direção de Produção: Carmen Mello
Realização e produção: Trígonos Produções Culturais Ltda.

Este espetáculo tem seus direitos autorais licenciados pela Associação Brasileira de Musica e Artes (Abramus)