Você está em: Página InicialTeatroTodas as notícias“A mão livre de Luiz Carlos Ripper” no Centro Cultural Correios

“A mão livre de Luiz Carlos Ripper” no Centro Cultural Correios

Exposição que conta com acervo do Cedoc/Funarte pode ser vista até 21 de abril

Publicado em 1 de abril de 2013 Imprimir Aumentar fonte
CEDOC-FUNARTE
CEDOC-FUNARTE

O Centro Cultural Correios, no Rio, abriga até 21 de abril a exposição “A mão livre de Luiz Carlos Ripper”. A mostra é uma homenagem aos 70 anos de nascimento do cenógrafo, figurinista, diretor de arte, encenador teatral e educador carioca Luiz Carlos Ripper [1943-1996]. Ela apresenta, entre outros itens, um acervo inédito de croquis e desenhos de seus processos de trabalho, com ênfase na sua produção teatral e cinematográfica.

Sob a curadoria de Lidia Kosovski, cenógrafa e professora doutora da UNIRIO, a exposição reúne cerca de 200 registros à mão livre, entre desenhos, croquis e escritos, apresentados em originais, imagens impressas e projetadas, além da recomposição de alguns cenários em maquetes, fotografias de cena, fragmentos de longa metragens integrados ao circuito da exposição, um documentário inédito e material gráfico, alguns programas, cartazes, que permitem ao público tomar contato com sua atuação em cinema e teatro, a partir dos anos 60.

A mostra estrutura-se em módulos – Riscos do tempo; Riscos teatrais; Riscos do cinema; Pensamento em risco – com projeção em mapping e videoinstalações, imagens impressas, fotografias, maquetes e outros documentos. Além de todo esse material, a “Mostra de cinema | Luiz Carlos Ripper: um Brasil imaginado”, apresenta, em looping durante toda a temporada da exposição, os filmes mais emblemáticos da produção do artista, como “Azyllo Muito Louco”, “Pindorama”, “São Bernardo”, “Xica da Silva”, “Os Herdeiros” e “Quilombo”.

Ripper assinou, como pesquisador de arte, cenógrafo e/ou figurinista ,os filmes “Como era gostoso o meu francês”, “Azyllo muito louco”, “El justicero”, “Fome de amor”, de Nelson Pereira dos Santos; “Xica da Silva”, “Os herdeiros” e “Quilombo”, de Cacá Diegues; “Pindorama”, de Arnaldo Jabor; “São Bernardo”, de Leon Hirszman; “Cara a cara”, de Julio Bressane; “Brasil ano 2000”, de Walter Lima Jr.; “Capitu”, de Paulo César Saraceni, entre outros.

Como surgiu a exposição
O registro da trajetória profissional de Ripper está basicamente centrado nos arquivos do Cedoc/Funarte e na Escola de Artes e Técnicas EAT/FAETEC . Esta exposição representa a consolidação de uma pesquisa sobre uma obra que requer visibilidade, além do âmbito acadêmico, onde ela começou.

Em 2008, como coordenadora do Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas da UNIRIO, Lidia Kosovski desenvolveu, em parceria com a doutoranda Heloísa Lyra Bulcão, o projeto Identificação e Organização do acervo de Luís Carlos Ripper, que foi vencedor de um edital da FAPERJ naquele ano.

O acervo pessoal de Ripper, com 12 mil documentos, alocado na Escola de Artes e Técnicas Luiz Carlos Ripper, da FAETEC, foi, então, transferido para o Laboratório de Investigação Cenográfica-LINCE-UNIRIO, coordenado por Kosovski, onde foi organizado e digitalizado. O acervo físico voltou ao seu local de origem e o acervo digitalizado está disponível para pesquisa no LINCE-UNIRIO. Em 2011, Lidia Kosovski ganhou um segundo edital da FAPERJ, intitulado “Arquivo de artista e dispositivo cenográfico”, que deflagra o início do projeto dessa exposição propriamente dita.

“A mão livre de Luiz Carlos Ripper”
Produzida pela Dois/Um Produções | Claudia Pinheiro
Curadoria: Lidia Kosovski

Até 21 de abril de 2013
De terça a domingo, das 12às 19h
Centro Cultural Correios
Rua Visconde de Itaboraí, 20 Centro – RJ
Entrada gratuita

Mais informações:
Tel.: (21) 2253 1580

http://www.correios.com.br/sobreCorreios/educacaoCultura/centrosEspacosCulturais/CCC_RJ/CCCRJ_Programacao.cfm