‘O olho de vidro’ estreia na quinta (16), no Centro Cultural dos Correios, Rio | Funarte – Portal das Artes
Você está em: Página InicialTeatroTodas as notícias‘O olho de vidro’ estreia na quinta (16), no Centro Cultural dos Correios, Rio

‘O olho de vidro’ estreia na quinta (16), no Centro Cultural dos Correios, Rio

Contemplada no Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz 2015, peça tem ingressos a preços populares

Publicado em 14 de março de 2017 Imprimir Aumentar fonte
Espetáculo no Centro Cultural dos Correios – Divulgação
Espetáculo no Centro Cultural dos Correios - Divulgação

O espetáculo O olho de vidro estreia na próxima quinta-feira, dia 16 de março e fica em cartaz até o dia 30 de abril, no Centro Cultural dos Correios, no Centro do Rio de Janeiro. A montagem foi contemplada no Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz 2015. Inspirado no livro “O olho de vidro do meu avô”, de Bartolomeu Campos de Queirós, a peça traz o ator Charles Asevedo como protagonista dessa história. O ator é admirador da obra de Bartolomeu e almejava fazer uma peça onde houvesse redenção na relação de um pai com o seu filho. De autoria de Renata Mizrahi, O olho de vidro é contado em primeira pessoa. As memórias do ator e suas descobertas se misturam aos personagens da literatura, criando a possibilidade de ver o mundo através de dois olhos – um que vê e o outro que imagina. Os ingressos custam R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia).

O espetáculo tem a colaboração artística da atriz Vera Holtz e Guilherme Leme Garcia, parceiros de Charles Asevedo na direção de outras montagens. Através de um projeto de leitura chamado Grandes Escritores, realizado por Holtz, Charles conheceu o criador e sua obra, no caso, o escritor mineiro Bartolomeu Campos de Queirós. O ator se apaixonou pela poética e também, pelo livro O olho de vidro do meu avô, que inspirou a peça. Segundo o relato de Bartolomeu, a memória é um grande patrimônio que a pessoa possui. “A memória é o que eu tenho de mais precioso. Mas é preciso também saber que nela tanto mora o vivido, quanto mora o sonhado. Mora a vida que eu vivi. E mora a vida que eu sonhei viver. Então quando você busca a memória, ela vem sempre misturada. Não vem pura. E é impossível ter uma memória pura. Ela é esta mistura, esta conversa entre a realidade e a fantasia”, ressalta o escritor.

Sobre o escritor Bartolomeu Campos de Queirós

Nascido em 1944, na cidade de Pará de Minas, passou a infância em Papagaios, também em Minas Gerais (MG). Com mais de 40 livros publicados (alguns deles traduzidos para inglês, espanhol e dinamarquês), formou-se em educação e artes, tornando-se humanista. Cursou o Instituto de Pedagogia em Paris e participou de importantes projetos de leitura no Brasil como o ProLer e o Biblioteca Nacional. É autor do Manifesto por um Brasil Literário, do Movimento por um Brasil literário, do qual participava ativamente. Por suas realizações, Bartolomeu colecionou medalhas: Chevalier de l’Ordre des Arts et des Lettres (França), Medalha Rosa Branca (Cuba), Grande Medalha da Inconfidência Mineira e Medalha Santos Dumont (Governo do Estado de Minas Gerais). Recebeu prêmios literários importantes, como Grande Prêmio da Crítica em Literatura Infantil/Juvenil pela APCA, Jabuti, FNLIJ e Academia Brasileira de Letras, dentre outros. Faleceu em 2012, na cidade de Belo Horizonte (MG).

Serviço

Monólogo O olho de vidro, com o ator Charles Asevedo

Temporada: 16 de março a 30 de abril
Dias e horário: quinta a domingo, às 19h
Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia)
Gênero: comédia dramática
Classificação: 12 anos
Duração: 1h

Local: Centro Cultural dos Correios
Rua Visconde de Itaboraí, 20 – Centro, Rio de Janeiro, RJ

Ficha Técnica

Texto: Renata Mizrahi – Inspirado no livro O olho de vidro do meu avô, de Bartolomeu Campos de Queirós, e nos relatos de Charles Asevedo
Criação artística: Vera Holtz, Guilherme Leme e Flávia Pucci
Idealizador e ator: Charles Asevedo
Iluminação: Tomas Ribas
Cenário: Aurora dos Campos
Trilha sonora: Marcelo H
Direção de produção: Valéria Alves
Produção: Sevla Produções