Você está em: Página InicialLiteraturaTodas as notíciasPublicação da segunda edição da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil

Publicação da segunda edição da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil

Publicado em 11 de janeiro de 2010 Imprimir Aumentar fonte
O que os brasileiros fazem em seu tempo livre?
O que os brasileiros fazem em seu tempo livre?

A pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, realizada pelo Instituto Pró-Livro, tem sido o principal estudo sobre o comportamento leitor no país, subsidiando o Estado brasileiro com informações e reflexões relevantes para a elaboração de políticas públicas do livro e leitura. A primeira edição da pesquisa, realizada em 2001, teve por objetivo básico a identificação da penetração da leitura de livros no país e o acesso a eles. Buscava, também: 1) Levantar o perfil do leitor de livros; 2) Coletar as preferências do leitor brasileiro; 3) Identificar as barreiras para o crescimento da leitura de livros; 4) Levantar o perfil do comprador de livros. Nesta segunda edição, o objetivo foi diagnosticar e medir o comportamento leitor da população, especialmente com relação aos livros, e levantar junto aos entrevistados suas opiniões relacionadas à leitura. O estudo teve, ainda, os seguintes objetivos secundários: Conhecer a percepção da leitura no imaginário coletivo; Definir o papel do leitor e do não leitor de livros; Identificar as preferências dos leitores; Identificar e avaliar os canais e formas de acesso à leitura e as principais barreiras A pesquisa considerou “leitor” quem declarou ter lido pelo menos um livro nos últimos três meses anteriores à entrevista, e “não leitor” quem declarou não ter lido nenhum livro neste mesmo período. Destacamos alguns deles. O que os brasileiros gostam de fazer em seu tempo livre?

A atividade leitora ficou apenas em quinto lugar. É curioso observarmos que a leitura não é considerada uma atividade que relaxa e descansa, mas um “trabalho” que cansa. Para a Presidente da Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte, Maria Antonieta da Cunha, em seu diagnóstico da pesquisa, há um claro problema de acesso aos materiais de leitura, especialmente o livro e, mesmo tendo-os por perto, falta a descoberta, “a volta na chave que faz a súbita ligação e torna o sujeito capturado para a leitura”. A pesquisa também revelou a enorme concentração de livros: 66% dos livros estão nas mãos de apenas 20% da população, ao passo que 8% dela não têm nenhum livro em casa e 4% somente um. 67% da população brasileira disseram saber da existência de bibliotecas próximas à sua residência e 20% afirmaram não existir. Este dado revela a falta de conhecimento dos equipamentos culturais existentes nos municípios, isto porque o suplemento de cultura da Pesquisa de Informações Básicas Municipais (MUNIC), realizada em 2006 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostrou que 89% dos municípios brasileiros possuem bibliotecas públicas. Cerca de metade dos não leitores disse não ter qualquer dificuldade para a leitura, o que nos revela a falta de estímulo à prática. Some-se a este dado o desinteresse (27%) e “falta de tempo” (29%) como razões alegadas pelos brasileiros não leitores para não terem lido livros no último ano. A falta de tempo pouco explica caso não compreendamos a lista de prioridades dos brasileiros em seu dia a dia. Parte da resposta vimos na questão referente às atividades no tempo livre. A pesquisa Retratos da leitura no Brasil é complexa e merece uma análise qualitativa minuciosa por parte dos gestores responsáveis pela elaboração das políticas públicas voltadas para a área do livro, leitura e literatura.

No intuito de ampliarmos o acesso dos dados da pesquisa, a colocamos à disposição dos interessados. Para ter acesso à pesquisa, clique aqui Demais informações: marcelogruman@funarte.gov.br, (21)2220-6191

http://www.prolivro.org.br/ipl/publier4.0/dados/anexos/48.pdf