‘Pequenos estudos para não morrer’ e ‘Bestiário’, na Sala Renée Gumiel (SP) | Funarte – Portal das Artes
Você está em: Página InicialAgenda CulturalDança‘Pequenos estudos para não morrer’ e ‘Bestiário’, na Sala Renée Gumiel (SP)

Agenda Cultural / Dança

‘Pequenos estudos para não morrer’ e ‘Bestiário’, na Sala Renée Gumiel (SP)

Publicado em 5 de novembro de 2018 Imprimir Aumentar fonte
Vera Sala Divulgacao
Vera Sala. Foto: divulgação.

Sobre o evento

Pequenos estudos para não morrer propõe uma “arqueologia do corpo”, o ato de recolher nos seus destroços as potências que possam reinventar o que o tempo fez desaparecer e o corpo esqueceu. A artista pergunta: “Que dança é possível dançar?”, “Como ativar novas dobras, criar outras poéticas e políticas nos modos de existir, resistir e dançar?”, “Como recolher testemunhos desta dança e dançar seus destroços, tornando-nos estrangeiros de nossas certezas?”, “Como nos deixar ficar perdidos para talvez encontrar, em frestas escondidas, potências transgressoras?” Estados de deriva, incompletude, precariedade, errâncias, instabilidade, dissolução dos limites entre vida e morte, animado e inanimado, e o esgarçamento do tempo têm sido questões propulsoras dos processos de criação de Vera Sala ao longo dos anos. Esses temas mobilizam redes de encontros e afetos, que não cessam de produzir perturbações, rupturas, disjunções e tensionamentos, ativando reflexões e potencializando diferentes corporeidades. Durante sua trajetória de investigação e criação artística, a pesquisadora busca ativar outros modos de existir, dançar, resistir e insistir, reinventando corporeidades e poéticas. Como dobras de tempo que se tocam, o passado aponta para um futuro a ser recriado e reinventado, o que nos surpreende novamente, fazendo aparecer novas inquietações.

Bestiário aponta para elementos como: vibração, respiração pelas células, esponja e fluxo interno, pulsação através da água, estrela-do-mar, coluna leve, peixes, anfíbios, lagartos, mamíferos, uma profusão de animais como desdobramento da evolução das espécies contida na evolução humana. A partir desses elementos, a coreografia propõe questionamentos: “O que nos aproxima dos animais?”, “O que nos aproxima do humano?”, “Somos desdobramento da mesma matéria?”. O espetáculo aborda, ainda, os bestiários da Idade Média, que partem da ideia de que somos uma coleção de animais e borram o limite entre o homem e o bicho, provocando uma visceralidade no movimento.

Sala Renée Gumiel – Complexo Cultural Funarte SP
(Alameda Nothmann, 1058, Campos Elíseos, São Paulo, SP)

Dança se move ocupa
De 11 de novembro a 16 de dezembro

Espetáculos: Pequenos estudos para não morrer (com Vera Sala) e Bestiário (com Luciana Hoppe)
Mediação de Cléia Plácido
Dia 2 de dezembro | Domingo, às 18h
Ingressos: R$ 10 (meia-entrada: R$ 5) – Cartões não são aceitos
A bilheteria abre uma hora antes do espetáculo.
Duração: 30 minutos (cada espetáculo). Classificação etária: livre.

Ficha técnica:
Bestiário - Coreografia e direção: Luciana Hoppe | Orientação de pesquisa: Silvia Geraldi | Trilha sonora: Haroldo Paraguassú de Souza | Iluminação: Juliana Morimoto | Figurino: Felipe Longo | Fotografia: Felipe Longo

Mais informações:
(11) 3662-5177
(11) 3822-5671 (bilheteria – abre uma hora antes do espetáculo)
funartesp@gmail.com

Dia: 2 de dezembro de 2018 Horário: 18:00 às 19:00 Local: Sala Renée Gumiel – Complexo Cultural Funarte SP. Alameda Nothmann, 1058, Campos Elíseos, São Paulo, SP.