Início do conteúdo
Notícias ‘Meio sem fim’: espetáculo, documentário e debates no Rio

Funarte Notícias

Publicado em 28 de setembro de 2014

‘Meio sem fim’: espetáculo, documentário e debates no Rio

Ivana Menna Barreto apresenta releituras de outros coreógrafos do seu solo 'Sem o que você não pode viver?', criado a partir de 45 depoimentos. A americana Lila Greene colabora com o projeto

‘Meio sem fim’: espetáculo, documentário e debates no Rio Lila Greene, Ivana Menna Barreto, Flora Mariah, Cláudia Müller e André Masseno. Foto: Theo Dubeux

Está em cartaz no Teatro Municipal Maria Clara Machado, na Gávea, Zona Sul do Rio de Janeiro, o projeto Meio Sem Fim, contemplado com o Prêmio Funarte de Dança Klauss Vianna 2013. O espetáculo terá duas temporadas: uma de 26 a 30 de setembro e a outra de 3 a 7 de outubro. O preço dos ingressos é R$ 20.

A proposta foi idealizada pela coreógrafa, bailarina e pesquisadora em dança contemporânea Ivana Menna Barreto. Às 19h15, antes das apresentações, é exibido um documentário, do videomaker Theo Dubeux, sobre o trabalho da artista. O espetáculo começa às 20h. O projeto inclui debates com os estudiosos Ana Kiffer (PUC-Rio) e com o artista e pesquisador Jefferson Miranda.

Meio sem fim é um desdobramento do solo de Ivana Sem o que você não pode viver?, composto de movimentos criados a partir de respostas para a pergunta-título, fornecida por 45 entrevistados, em várias cidades do Brasil e em outros países. Lila Greene, coreógrafa americana radicada em Paris, colaborou com a brasileira, intervindo no novo projeto, a partir de sete imagens geradas pela performance de Ivana.

Meio sem fim é construído a partir de encontros com outros coreógrafos, convidados a criar algo sobre o que viram em Sem o que você não pode viver; e fazem performances sobre o solo. André Masseno, Cláudia Müller, Flora Mariah e Lila Greene reinterpretam os gestos de, Ivana, em seus próprios solos. A proposta é um conjunto de releituras sobre uma mesma situação, como numa longa conversa sem fim. “São diálogos com mais interesse nas versões ou interpretações – as imagens a partir das quais se fala – do que no fato em si”, diz Ivana. A coreografia foi concebida como  “work-in-progress” (ou “obra em processo”). Os artistas dançam no meio do público, que fica sentado em almofadas.

A montagem é resultado de uma residência de criação de Ivana, de três meses, em Paris, com Lila – que foi sua professora, na capital francesa, na década de 1980. A pesquisa foi contemplada pelo Programa de Residências Institut Français/Cité Internationale des Arts, com apoio do Centre National de la Danse (CND).O resultado da residência foi apresentado em 2013 no Sudio May B, no Micadanses, Paris. Para finalizar o trabalho, Lila Greene veio ao Rio de Janeiro fazer apresentações do duo com Ivana, no ano passado.

Já o documentário de Theo Dubeux mostra recortes da pesquisa da coreógrafa. No debate do 29 de setembro, às 18h, Ana Kiffer aborda o tema Escritas do Corpo; no dia 3 de outubro é a vez de Jefferson Miranda, com o tema Uma biografia experimentada.

Meio sem fim quer uma abertura de meios – de criar e pensar. É experimentação em criação continuada, em que cada intervenção pode sempre modificar o que já foi feito, ou abrir um novo caminho que aponte outras saídas, já que o projeto não visa apenas a montagem de um espetáculo, mas sobretudo mostrar o que esse percurso pode gerar” explica Ivana. Das intervenções e conversas com o público, após as apresentações de Sem o que você não pode viver, surgiu nela o desejo de aprofundar o trabalho. “A proposta coreográfica insiste na exploração de um material de gestos, suas bifurcações e as intervenções de outros colaboradores”, destaca Ivana Menna Barreto.

Sobre o trabalho da artista

Em 2011, para dar forma aos movimentos de Sem o que você não pode viver? Ivana não somente entrevistou, como também observou e pesquisou a vida das pessoas que responderam à pergunta do título. Foram ouvidos amigos, amigos de amigos, anônimos, ao vivo, ou virtualmente. Em 2012, de conversa em conversa, a coreógrafa convidou artistas a elaborarem as intervenções, tendo como mote o espetáculo. Assim, o fotógrafo João Penoni, os coreógrafos André Masseno e Cláudia Müller apresentaram fotos e performances, que geraram um novo capítulo da pesquisa.

Ficha técnica/artística: Ivana Menna Barreto – criação/interpretação | Lila Greene – colaboradora convidada| André Masseno – colaborador convidado | Cláudia Müller – colaboradora convidada | Flora Mariah – colaboradora convidada | Theo Dubeux – vídeo-documentário e programação visual | Estela Albani – produtora executiva | Tábatta Martins – operação de luz | Mônica Riani – assessoria de imprensa

Meio Sem Fim

Solos de Ivana Menna Barreto, com intervenções de Lila Greene, Cláudia Müller, André Masseno e Flora Mariah.

Exibição do documentário de Theo Dubeux sobre o projeto, antes de cada sessão

Sessões
Dias 26, 27, 28, 29 e 30 de setembro; e 3, 4, 5, 6 e 7 de outubro
de sexta a terça-feira

Horários
19h15: exibição do documentário
20h: apresentações

Debates
29 de setembro às 18h – Ana Kiffer – Tema: Escritas do Corpo
3 de outubro às 18h – Jefferson Miranda – Tema: Uma biografia experimentada

Teatro Municipal Maria Clara Machado
Av. Padre Leonel Franca, 240 – Gávea
Rio de Janeiro – RJ
Tel.: (21) 2274-7722

Ingressos: R$ 20; meia entrada R$ 10