Você está em: Página InicialDançaTodas as notíciasEspetáculo de dança se inspira na pioneira do nado sincronizado

Espetáculo de dança se inspira na pioneira do nado sincronizado

Últimos dias para assistir "Esther Williams não quer mais nadar"

Publicado em 9 de fevereiro de 2012 Imprimir Aumentar fonte
“Esther Williams não quer mais nadar” – Foto: Luisa Pitta
“Esther Williams não quer mais nadar” – Foto: Luisa Pitta

Além deste trabalho, o grupo de artistas apresenta o infantil “Entrelace”, que também termina suas apresentações no domingo, 12/02

Os filmes da atriz-nadadora de Hollywood Esther Williams, famosa nos anos 1950, inspiram o espetáculo de dança,  em cartaz desde 26 de janeiro, no Teatro Cacilda Becker, da Funarte, no Largo do Machado, Rio de Janeiro. A personagem de “Esther Williams não quer mais nadar” popularizou o antigo balé aquático, que originou as bases para o atual esporte do nado sincronizado. O espetáculo, um híbrido de teatro, dança e performance, termina a temporada no domingo, dia 12.

O palco é ocupado por cadeiras, colocadas aleatoriamente, algumas delas mais ao centro, outras na periferia. Isto gera no público uma ideia de “dentro” e “fora”. Cada pessoa é acomodada com cuidado, atenção e afeto, pela intérprete, Andrea Elias. O corpo da personagem flutua entre os corpos da plateia, como num espaço líquido, interagindo com os corpos dos espectadores. A atriz e bailarina explica que “Os impulsos da dança reverberam nos corpos do público”, que passa a ser parceiro neste jogo coreográfico.  Acontecem pequenos conflitos entre o ser e o não ser, o estar e o não estar, o querer e o não querer”, explica a performer, que facilita que os movimentos do público passem de gestos rotineiros, cotidianos, a impulsos, expressos em dança. “Estes, sutilmente, constróem a sequência coreográfica”, diz Andrea. “Através da dança, é gerada uma zona de relação, de onde emerge uma atmosfera de atenção, cuidado e reconhecimento entre os presentes, e de potência de criação entre os indivíduos”, conclui.

O espetáculo não pretende fazer um registro biográfico de Esther Williams, mas, a partir de um recorte de sua história, criar uma metáfora com a figura da nadadora. O objetivo é apresentar a experiência do corpo, que, por necessidade ou desejo, descobre outras possibilidades para si mesmo. “Por exemplo: negar-se a executar uma ação pode fazer com que o indivíduo perceba uma outra perspectiva da mesma ação”, diz Andrea. Para o grupo, uma situação como essa pode representar um momento de incerteza, de indeterminação e transição, de uma situação para outra, desconhecida. Seria um instante de fragilidade, entre o querer e o não querer, o “sim” e o “não”, que necessitaria de cuidado, atenção e afeto – os principais conceitos abordados pelo espetáculo.

Entrelace – Espetáculo Infantil

Nesta montagem de dança contemporânea para a família, a plateia é convidada ao encontro com o outro e a perceber sutis espaços de relação e convivência

Diferentemente dos espetáculos convencionais, o público é cuidadosamente convidado a sentar-se em bancos, no palco, onde cada pessoa é acomodada pelos intérpretes, com movimentos coreográficos, com cuidado, atenção e afeto. Como sugere o título, a partir do significado da palavra, “enlace recíproco”, os movimentos se desenvolvem numa dinâmica que envolve faz o público se “enlaçar”. Os artistas partem de de jogos populares tradicionais e de fábulas infantis. Cada momento se encadeia ao próximo, a partir do movimentos em escala crescente, e da transformação do instante anterior. “É como um novelo de linha, que se desenrola pelo espaço cênico, entre os corpos dos atores bailarinos e os do público”, explica Heder Magalhães, performer e pesquisador do projeto.

Entre uma brincadeira e outra, a plateia identifica a dança em situações onde, antes, havia apenas o significado de jogo. Nos movimentos coreográficos reaviva-se a memória das brincadeiras que fazem parte das lembranças de cada um. Concebido especialmente para o público infantil, o espetáculo estreou no festival de dança Panorama 2011.

A construção de ambos os trabalhos parte das seguintes questões: onde termina o espaço de uma pessoa e começa o da outra? Até onde uma ação é somente de uma indivíduo, ou tem consequência na ação do outro? Até que ponto somos capazes de interferir no modo de ser do outro? Em que medida somos permeáveis à interferência das outras pessoas? Em que medida a comunicação sinestésica (a que relaciona os cinco sentidos humanos) proposta pela dança toca o público? Qual é a responsabilidade neste contato e nesta comunicação?

“Esther Williams não quer mais nadar” e “Entrelace”
Temporada: 28 de janeiro até 12 de fevereiro
Ingressos: R$ 20. Reservas pelo telefone (21) 8358-4830

Teatro Cacilda Becker (Funarte)
Rua do Catete 338, Largo do Machado, RJ – Próximo a Estação Largo do Machado do Metrô
Telefone. 2265-9933
Acesso ao palco facilitado para portadores de necessidades especiais

Realização: Trânsito Produções Culturais
Assessoria de Imprensa: Ney Motta
Apoio: Fundação Nacional de Artes (Funarte)

Fichas técnicas

“Esther Williams não quer mais nadar”
Com Andrea Elias

Até domingo, 12 de fevereiro
De quinta-feira a domingo às 19:30h
Capacidade de público para o espetáculo: 40 pessoas
Classificação indicativa: Livre
Patrocínio: Fundo de Apoio ao Teatro (FAT) – Secretaria Municipal de Cultura – Prefeitura do Rio
Pesquisa e criação: Andrea Elias, Norberto Presta e Paulo Marques
Direção e dramaturgia: Norberto Presta
Direção de movimento e colaboração: Paulo Marques
Audiovisual: Eveline Costa
Figurino: Joana Lavallé
Desenho de luz: Luiz Oliva
Programação Visual: Miguel Carvalho
Fotos: Luísa Pitta Produção executiva: Regina Levy
Duração do espetáculo: 60 minutos

“Entrelace”
Com Andrea Elias, Heder Magalhães, Luísa Pitta e Tânia Ikeoka
Até domingo, dia 12

Sábados e domingos, às 16:30h
Capacidade de público para o espetáculo: 50 pessoas
Classificação indicativa: Livre
Concepção, coreografia e direção artística: Andrea Elias
Pesquisa e performance: Andrea Elias, Heder Magalhães, Luísa Pitta e Tânia Ikeoka
Consultoria dramatúrgica: Norberto Presta
Direção de movimento e mestre de balé: Paulo Marques
Trilha sonora e Direção musical: PC Castilho
Figurino, cenário e adereços: Joana Lavallé
Designer, animações e fotos: Miguel Carvalho
Duração do espetáculo: 50 minutos