Companhias de dança do Brasil e do Benin, na África, se apresentam no Teatro Cacilda Becker, no Rio | Funarte – Portal das Artes
Você está em: Página InicialDançaTodas as notíciasCompanhias de dança do Brasil e do Benin, na África, se apresentam no Teatro Cacilda Becker, no Rio

Companhias de dança do Brasil e do Benin, na África, se apresentam no Teatro Cacilda Becker, no Rio

O evento ‘Danças e Ancestralidade Afro-brasileiras: Benin e Brasil em cena’ leva ao público o espetáculo ‘Orin Ododo’, além de oficinas e roda de conversa

Publicado em 20 de abril de 2018 Imprimir Aumentar fonte
danca
danca

De 25 a 28 de abril, o Teatro Cacilda Becker, na Zona Sul do Rio, recebe uma programação especial que coloca em cena a dança afro-contemporânea e os ritmos tradicionais do Benin, país localizado na região Oeste da África. A convite da Aduni Companhia de Dança Afro-Contemporânea, o grupo La Symphonie du Benin participa de ações de intercâmbio e apresenta ao público, nos dias 27 e 28, às 19h, o espetáculo Orin Ododo (A Canção Autêntica).

O evento Danças e Ancestralidade Afro-brasileiras: Benin e Brasil em cena inclui ainda a realização de três oficinas – ‘Oficina de Formação em Danças e Ritmos Tradicionais do Benin’; ‘Oficina de Acessibilidade e Criação em Dança Afro-Contemporânea’, com Raphael Arah; e a ‘Oficina de Dança Afro-Contemporânea para mães e bebês – 1 a 2 anos’ – além da Roda de conversa ‘Danças e Laços entre Brasil e Benin – história e atualidade’. Os ingressos para os espetáculos e para as oficinas custam R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada).

Sobre as companhias

La Symphonie du Benin é um grupo cultural existente desde 2009 em Porto Novo, Benin, na África. Formado por jovens bailarinos e músicos, e professores voluntários. Dirigido pelo músico e diretor TCHINA Gervais. O grupo trabalha com danças e músicas tradicionais do Benin e já realizou turnês por outros países africanos, como Burkina Faso, Costa do Marfim e Togo; além da França.

A Aduni Cia de Dança Afro-Contemporânea foi criada em 2016 por Monica da Costa, tendo a parceria de Raphael Arah, Erika Villeroy e outros colaboradores. Estreou com a remontagem do espetáculo Corpo D’água em temporada no Teatro SESC-SENAC Pelourinho (Salvador – BA), como desdobramento do trabalho desenvolvido por Monica da Costa desde 2009 com a parceria do diretor de teatro Renato Santos. Foi Cia Residente no Centro Municipal de Artes Calouste Gulbenkian e no Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro.

Ainda em 2016, a Cia apresentou Corpo d’água no Circuito Vozes do Corpo – São Paulo. Em 2017, ministrou a Oficina de Dança Afro-Contemporânea baseada nos Pés de Dança de Orixás e Ancestres no Espaço Corpo – SESC Copacabana, e Oficina Ifé e Bethânia no CEDIM. Seus espetáculos Corpo d’água (2009-atual), Da onde vem sua dança? (2011) e Se Maria fosse bonita (2012) foram anteriormente apresentados em temporadas, festivais e ocupações no Rio de Janeiro, Salvador, São Paulo, Belém do Pará, Lomé (Togo), Paris (França) e Berlim (Alemanha). Atualmente, a Cia está sediada no Benin e no Rio de Janeiro.

Programação

Danças e Ancestralidade Afro-brasileiras: Benin e Brasil em cena

De 25 a 28 de abril de 2018

Espetáculos

Orin Ododo (A Canção Autêntica)
Grupo Symphonie du Benin
Dias 27 e 28 de Abril, às 19h

Oficinas

Oficina de Formação em Danças e Ritmos tradicionais do Benin
Grupo Symphonie du Benin
Dias 25 e 26 de abril, das 18h às 19h30; e dia 28 de abril, das 16h30 às 18h

Oficina de Acessibilidade e Criação em Dança Afro-Contemporânea
Com Raphael Arah
Dia 28 de abril, das 14h às 15h

Público alvo: Adolescentes e adultos com ou sem deficiência
Carga horária: 4 horas

A oficina propõe trazer novos olhares para a relação entre acessibilidade cultural e criação em dança através de práticas de dança afro-contemporânea e ferramentas de composição coreográfica que busquem caminhos para a construção de uma dança acessível feita por diversos artistas com ou sem deficiência para diversos públicos, com diversas possibilidades de locomoção e comunicação sensorial. O foco das reflexões e práticas corporais desta oficina será no público com deficiência visual ou baixa visão através de criações e experimentações das ferramentas de descrição, audiodescrição (AD) e audiodescrição cênica (AD cênica), resultando na produção de conteúdos coreográficos acessíveis feitos por cada aluno no final da oficina.

Raphael Arah
Bailarino. Graduado em dança pela Faculdade Angel Vianna. Pós-graduando em Cultura e História Africana e Afro-Brasileira pelo Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos (IPN /FEUDUC).

Bailarino integrante da Pulsar Cia de Dança e da Aduni Cia de Dança Afro-Contemporânea. Pesquisador do Núcleo de Estudos Contemporâneos do Corpo Negro da Faculdade Angel Vianna (NECCN).

Estudou fotografia na Escola de Artes Visuais do Parque Lage (EAV). Estudou “Labanotation” – Sistema de notação para dança, no curso de extensão da UFRJ, e Valores Civilizatórios Afro-Brasileiros no curso de extensão do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da UFRJ (IFCS/UFRJ). Atuou em diversos espetáculos em vários estados do Brasil com a Pulsar Cia de Dança através do FADA (Fundo de Apoio a Dança), Prêmio Klauss Vianna (Circulação) e Programa de Fomento à Cultura da Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro. Bailarino residente há cinco anos com diversas companhias e coletivos no Centro Coreográfico da Cidade do Janeiro.

Oficina de Dança Afro-Contemporânea para Mães e Bebês – 1 a 2 anos
Dia 28 de abril, das 15h às 16h

Na oficina, dançaremos os pés de dança de Orixás e Ancestres, a partir do método desenvolvido desde 2010, no qual unimos as danças de Orixás e Ancestrais às práticas corporais do Body Mind Centering, do sistema Laban-Bartennief e outros caminhos, sempre com o espaço para encontro e pesquisa singulares entre essas danças e os vocabulários de movimento/história corporal de cada aluno, adaptando-o agora para dançar com nossos bebês. Também trabalharemos com as mitologias de Orixás ligadas à gestação e à maternidade.

Roda de conversa Danças e Laços entre Benin e Brasil – história e atualidade
Com Grupo Symphonie du Benin e Monica da Costa
Dia 26 de abril , às 19h30

Pretende contar um pouco das relações históricas e ancestrais entre os dois países, incluindo a história corporal e heranças das danças de lá pra cá e daqui pra lá, e expor um panorama das redes de dança atualmente existentes, centros e escolas de dança do Benin, possibilidades de intercâmbio etc.

Ingressos:
Espetáculos – R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada)
Oficinas – R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada) por dia/por Oficina

Teatro Cacilda Becker
Rua do Catete, 338 – Catete – Rio de Janeiro (RJ)
Telefone: (21) 2265-9933