Funarte realiza mostra de artes cênicas no MicBR | Funarte – Portal das Artes
Você está em: Página Inicial › Funarte › Todas as notíciasFunarte realiza mostra de artes cênicas no MicBR

Funarte realiza mostra de artes cênicas no MicBR

Programação faz parte do Mercado de Indústrias Criativas do Brasil 2018 que reúne, de 5 a 11 de novembro empresas, criadores e empreendedores, de dez setores ligados à cultura, às artes e à criatividade

Relacionado a: Circo, Dança, Teatro
Publicado em 30 de outubro de 2018 Imprimir Aumentar fonte
Mostra paralela de Artes Cenicas_e-flyer. Programacao Visual
E-flyer. Programação Visual Funarte

A Fundação Nacional de Artes realiza, nos dias 8, 9 e 10 de novembro, de quinta-feira a sábado, no Complexo Cultural Funarte, em Campos Elíseos, na capital paulista, a Mostra Paralela de Artes Cênicas Funarte. Convidados têm prioridade na entrada mas, se houver lugar, o público tem entrada franca.

A atividade está inserida na programação do Mercado de Indústrias Criativas do Brasil (MicBr) 2018, realizado pelo Ministério da Cultura e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). Na mostra estão previstos dois espetáculos por dia, das 13h30 às 15h30, na Sala Renée gumiel, realizados por seis reconhecidas companhias de circo, dança e teatro. Elas apresentam versões compactas de peças do seu repertório.

“O objetivo da mostra é construir elos entre a produção artística brasileira de excelência e os curadores e programadores de festivais de Artes Cênicas do mundo todo, além de estimular que eles realizem intercâmbios”, informa Fabiano Carneiro, coordenador de Dança da Funarte, que também coordena a mostra de artes cênicas.

Cia. Solas de Vento. Foto: divulgação

Sobre o MicBR

Em sua primeira edição, o Mercado das Indústrias Criativas do Brasil será realizada de 5 a 11 de novembro, no chamado “corredor cultural da Avenida Paulista”. O MicBR tem como proposta ser um megaevento de negócios, cuja meta é reunir centenas de empresas e milhares de criadores e empreendedores, do Brasil e de outros países, dos setores de circo, dança, teatro (artes cênicas), música, audiovisual, animação e jogos eletrônicos, design, moda, produção editorial, museus e patrimônio, gastronomia, e artes visuais.

Oito países sul-americanos confirmaram participação: Argentina, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru e Uruguai, além do anfitrião Brasil. O megaevento reunirá cerca de 500 empresas e aproximadamente 100 empresas compradoras de mais de 30 países. Os organizadores esperam receber diariamente dois mil participantes nas atividades de mercado e três mil na programação artística, além de movimentar mais de US$ 10 milhões em negócios.

“Participando do MicBr 2018, a Funarte marca presença como instituição responsável por fortalecer a participação das artes cênicas brasileiras no exterior”, observa Fabiano Carneiro. Ele acrescenta que, no âmbito do Ministério da Cultura, esta é uma atribuição Funarte – como responsável pelo desenvolvimento de políticas públicas para artes visuais, circo, dança, teatro e música; pela valorização das artes como setor estratégico para o país, compreendendo essa área tanto em termos econômicos, como atividade produtiva geradora de emprego e renda, quanto como meio de afirmação da identidade e da diversidade culturais do Brasil.

O alvo do MicBR é “impulsionar a internacionalização da produção cultural brasileira e o intercâmbio entre os países, em especial da América do Sul” – reporta o Ministério da Cultura. Na programação, estão incluídas rodadas de negócios (colocando em contato direto produtores e compradores) espaços para contatos profissionais (“networking”), oportunidades de apresentação de produtos e serviços (“pitchings”), além de atividades de capacitação para empreendedores, como palestras, seminários, oficinas e clínicas de mentoria. Apresentações artístico-comerciais (“showcases”) de artes, moda e gastronomia também fazem parte do programa. “O MicBR nasce inspirado em experiências exitosas realizadas em outros países, como o Mercado de Indústrias Criativas Argentinas (MICA) e o Mercado de Indústrias Culturais do Sul (Micsul)”, informa o site oficial (acesse-o abaixo).

Mostra Paralela de Artes Cênicas Funarte – MicBR 2018

Novembro de 2018

Programação

  • Dia 8, quinta-feira: Balé Teatro Castro Alves (BA) & Cia. Híbrida (RJ)
  • Dia 9, sexta-feira: Jorge Garcia Cia de Dança (SP) & Cia. Solas de Vento (SP)
  • Dia 10, sábado: Circo Mínimo (SP) & Focus Cia. de Dança (RJ)

Horário: das 13h30 às 15h30

Local: Sala Renée Gumiel
Complexo Cultural Funarte São Paulo
Alameda Nothmann, 1058 – Campos Elíseos – São Paulo (SP)

Sinopses dos espetáculos

8/11, quinta

Balé Teatro Castro Alves (BTCA) – Salvador (BA)

Lub Dub

Versão compacta do espetáculo

Criação do dançarino, coreógrafo e compositor sul-coreano Jae Duk Kim, a coreografia de Lub Dub é “uma intensa alternância de movimentos de tração e estremecimento, dinamismo e relaxamento, ritual e contemporâneo”. O título faz referência ao som das batidas do coração. “Para a medicina, os dois primeiros (ou principais) sons cardíacos são denominados ‘lub’ e dub’, que representam a bolha produzida pela abertura e fechamento das válvulas que permitem a passagem do sangue”, diz o Balé Teatro Castro Alves. Assim, o título seria uma metáfora dos “sons e batidas da vida, da própria humanidade e sua energia vital, que motiva e sustenta o movimento do corpo: o corpo que pulsa, medita, protesta e luta”. Em Lub Dub, os dançarinos têm a percussão como inspiração sonora e física. O próprio Jae Duk Kim assina a trilha, que tem como base instrumentos percussivos das culturas oriental e ocidental e canto ao vivo.

O espetáculo vem conquistando plateias por onde passa.

8/11, quinta

Cia Híbrida – Rio de Janeiro (RJ)

Olho Nu

Versão compacta do espetáculo

Considerado uma das melhores montagens de dança de 2014 Jornal O Globo (RJ), Olho Nu é a terceira parte da trilogia que lança um debate sobre o hip hop e a fragilidade. No trabalho, a Cia. Híbrida pretende incitar discussões como “o papel do artista como alguém que tem de entreter aquele que o assiste”. O espetáculo recebeu diversos prêmios, de dimensão nacional e municipal. Foi apresentado dezenas de vezes em vários lugares do Brasil e na França. Foi criado para ser apresentado em espaços alternativos nas ruas, com público ao redor, ou em formato de arena, mas também pode ser encenado em palco italiano. A peça contém texto, que pode ser interpretado em português, espanhol, inglês ou alemão.

9/11, sexta

Jorge Garcia Companhia de Dança – São Paulo (SP)

Nihil Obstat

Versão compacta do espetáculo

Nihil Obstat (em latim “Nada Impede”) é a expressão de consentimento oficial, do ponto de vista moral e doutrinário, para exibição de uma obra que aspira ser publicada, registrada por um censor da Igreja Católica Romana. O solo, com o bailarino Jorge Garcia, tem como proposta transmitir a liberdade e a possibilidade de transformação “do lugar, do momento e do próprio corpo”.  Inicialmente criado por Henrique Iwao, pesquisador e músico experimental, e atualmente desenvolvido com a improvisação de Eder O. Rocha, o trabalho é conta com elementos como mini–amplificadores, distribuídos pelo espaço cênico, e um cavalinho de brinquedo. Esses recursos servem para gerar impressões sonoras diversas, que surgem para interferir na movimentação do intérprete.

9/11, sexta

Companhia Solas de Vento – São Paulo (SP)

Versão compacta do repertório da companhia

A Companhia Solas de Vento formou-se em 2007, em São Paulo (SP). Surgiu da parceria entre um brasileiro, Ricardo Rodrigues, e um francês, Bruno Rudolf.  Uma das marcas da dupla é a soma da diversidade da história e da cultura de cada um dos artistas. Por isso, o trabalho deles direcionou-se para a reflexão em torno das relações interpessoais, de um imaginário sobre terras e culturas distantes e, ainda, sobre o que permite aproximá-las. Suas performances cênicas mesclam teatro, artes circenses, teatro físico, dança contemporânea e projeção de vídeo. As criações da companhia, como Homens de Solas de Vento (2007), Os Perdidos (2010), A Volta ao Mundo em 80 Dias (2011) e Viagem ao Centro da Terra (2015), abordam, muitas vezes sem o uso de palavras, temas relacionados a viagens; encontros com outras culturas e horizontes, reais e imaginários.

10/11, sábado

Circo Mínimo – São Paulo (SP)

Simbad, o Navegante

Versão compacta do espetáculo

Simbad, o Navegante, é o 18º espetáculo da multipremiada trupe Circo Mínimo, especializada em mesclar técnicas circenses em narrativas teatrais. Nesta história, o heroí coleta grandes riquezas, em sete viagens – sempre escapando por pouco da morte, que chega para quase todos os seus companheiros de viagem. Dois artistas de rua são os narradores. Eles se confrontam o tempo todo, na clássica situação da dupla de palhaços – artistas mambembes, que vão de cidade em cidade e de praça em praça, contando suas histórias; e sempre brigando, para ver quem fará o papel do herói. Com as técnicas que o circo lhes ensinou, viajando em sua carroça de bambus, eles usam esse material para criar imensos animais (como pássaros, serpentes e elefantes) e  barcos; e simular desfiladeiros e tempestades.

“As aventuras de Simbad são, na verdade, as aventuras da humanidade, e não apenas as de um herói”, diz o grupo.

10/11, sábado

Focus Cia. de Dança – Rio de Janeiro (RJ)

Versão compacta do espetáculo Still Reich

Still Reich reúne, em um programa único, peças compostas a partir de músicas do compositor contemporâneo norte-americano Steve Reich. “Inspirado pelo vigor das construções musicais de suas composições, Alex Neoral apresenta duas de suas obras neste espetáculo”, comenta a Focus. Além da peça recém estreada Keta, a companhia apresenta Pathways. A palavra iorubá “Keta” significa “terceiro” – Reich compôs Drumming (a música da coreografia) em uma viagem que fez à Gana. Esse  universo tribal e ritualístico africano é levado para a cena através de uma construção coreográfica “veloz, viva e orgânica, mostrando corpos em sua máxima potência em um trabalho vigoroso e ao mesmo tempo profundamente humano”, dizem os bailarinos. Já Pathways traz, em sua construção, uma síntese da linguagem da Focus e o desafio de criar uma nova obra, a partir de trechos pré-existentes. Apresentado inicialmente em Stuttgart (Alemanha), foi um trabalho elogiado pelo público e pela crítica. Já foi apresentado na França, Itália, Panamá e no Brasil.
A Focus Cia. de Dança é patrocinada pela Petrobras.

MicBr – Mercado das Indústrias Criativas do Brasil – 2018

Primeira edição


Mostra Paralela de Artes Cênicas Funarte

Coordenador: Fabiano Carneiro
Coordenador de Dança – Centro de Artes Cênicas – Fundação Nacional de Artes – Funarte

Convidados têm prioridade na entrada. Caso haja lugares vagos, o público tem entrada franca.

Mais informações
danca@funarte.gov.br
Tel. (21) 2279 8014

Mais informações sobre o MicBR
Site oficial: MicBR – Ministério da Cultura