#

patrocínio:

Lei de Incentivo à Cultura Petrobras
Brasil Memória das Artes
Conheça o Brasil Memória das Artes

Nelson Rodrigues sabatinado por Fernanda Montenegro

'Achavam que eu era um tarado', diz autor em entrevista concedida em 1974 ao Serviço Nacional de Teatro

Francisco Cuoco, Fernanda Montenegro e Maria Esmeralda na peça 'Beijo no Asfalto', 1961. Cedoc-Funarte

Francisco Cuoco, Fernanda Montenegro e Maria Esmeralda na peça 'Beijo no Asfalto', 1961. Cedoc-Funarte

Mídias deste texto

Imagens (8 imagens)

Áudios (3 áudios)

  • < play >
    00:00 vol
    • Entrevista com Nelson Rodrigues

    • Entrevista com Nelson Rodrigues – 2a. parte

    • Entrevista com Nelson Rodrigues – 3a. parte

“Durante 10 anos, dia após dia, o leitor tomava conhecimento do adultério do dia. Era um adultério. A única coisa que realmente não morre com a história é o adultério. Faz um sucesso incrível, e o negócio de trair, mulher trair, ora, esse é o destino dela. E o homem compreendeu isso. Uma coisa deliciosa, uma satisfação cruel, incrível.” Em 1974, Nelson Rodrigues dava seu testemunho sobre a série de crônicas  A Vida como Ela É, publicada durante uma década com êxito absoluto pelo jornal Última Hora e, mais tarde, nos anos 90, adaptada para a TV também com sucesso pela Rede Globo. Sabatinado por um time de entrevistadores que incluía a atriz Fernanda Montenegro, o autor de novelas Gilberto Braga, o dramaturgo Aldomar Conrado e o crítico Sábato Magaldi, Nelson Rodrigues discorre sobre suas peças sem meias palavras, como no momento em que lembra da dificuldade que foi escalar uma atriz para o papel principal de Toda Nudez Será Castigada: “Creio que, na maioria dos casos, os meus elencos têm horror aos meus textos. Achavam que eu era um tarado. Mas não é isso…”

Fernanda encomendou a Nelson uma peça: nascia, assim, ‘Beijo no Asfalto’

Ao lembrar que na adaptação cinematográfica da peça uma cena de cinco minutos foi cortada, devido ao teor sexual, e da acusação de morbidez recebida por Bonitinha, mas Ordinária, ouve de Fernanda Montenegro: “Também, se você não fizesse escândalo, ficaria um pouco decepcionado, não é, Nelson?” Com a atriz, lembra do primeiro encontro profissional de ambos. Ela levou oito meses ligando, insistentemente, para o dramaturgo, a fim de que ele escrevesse uma peça que ela estrelaria e produziria com o marido, Fernando Torres. Nascia ali Beijo no Asfalto, um grande sucesso. Mais tarde, Fernanda teria que descartar estrelar Toda Nudez Será Castigada por estar grávida: “Nelson, muito sabidamente, diz que eu me recusei a fazer, mas na realidade, ele demorou tanto para entregar o texto que, nesta altura dos acontecimentos, eu já estava grávida do meu primeiro filho”, relata a atriz.

Montada, a peça acabou estrelada por Cleyde Yáconis sob direção de Ziembinski, outro grande êxito. O elo entre Nelson Rodrigues e Fernanda Montenegro se daria ainda, como lembra ela, na novela A Morta sem Espelho, numa versão para a TV de Vestido de Noiva e na adaptação cinematográfica de A Falecida: “Onde você fez um trabalho magistralíssimo”, diz o autor à atriz. Especialmente saborosa, contudo, é a declaração do autor sobre um aspecto que o desagradou no filme: “Tinha um defeito: eliminava toda a parte de humor da peça”. O ator Nelson Xavier foi alvo da insatisfação do dramaturgo. “Um dia apareci lá para ver umas filmagens e vi o Nelson Xavier fazendo o cafajeste dionisiano, carioca e ainda por cima papa-defuntos, como se fosse o Laurence Olivier, um lorde inglês. Fiquei assombrado. Chamei ele num canto e disse: Ô, Nelson Xavier, pelo amor de Deus, você não está na Câmara dos Comuns. Te põe aqui numa funerária de quinta classe, ouviu?”.

Mais tarde, segundo o dramaturgo, o ator concordaria com o equívoco na composição do personagem, mas o filme de Leon Hirszman, no entanto, já estava pronto, e o diretor, irredutível. A entrevista concedida à série Depoimentos resultaria, ainda, em corajosa confissão daquele já então considerado um dos maiores dramaturgos do país de todos os tempos: escrevera A Mulher sem Pecado, sua primeira peça, sem ter babagem teatral alguma, tendo, até então, lido somente uma peça, e visto outra na infância. A bagagem literária, contudo, que ele considerava ‘monstruosa’, o ajudaria na carpintaria do ofício.

Compartilhe!

Caro usuário, você pode utilizar as ferramentas abaixo para compartilhar o que gostou.

Comentários

2

Deixe seu comentário

* Os campos de nome, e-mail e mensagem são de preenchimento obrigatório.

Cristian Rangel

enviado em 26 de dezembro de 2010

Muito boa a iniciativa, é uma oportunidade única de pesquisar e revisar o passado glorioso da nossa cultura.

Leandro

enviado em 24 de março de 2012

Maravilha de entrevista..evidencia bem a personalidade autêntica da obra de Nelson Rodrigues.

Textos

leia todos os 12 textos deste acervo »

Imagens

veja todas as 47 imagens deste acervo »

Áudios

ouça todos os 16 áudios deste acervo »

Vídeos

veja todos os 7 vídeos deste acervo »

  • Henriette Morineau: balanço de uma vida em trânsito (Áudio-descrição)

    Henriette Morineau: balanço de uma vida em trânsito (Áudio-descrição)

    Videodocumento
  • Henriette Morineau: balanço de uma vida em trânsito (Closed Caption)

    Henriette Morineau: balanço de uma vida em trânsito (Closed Caption)

    Videodocumento
  • Henriette Morineau: balanço de uma vida em trânsito (Libras)

    Henriette Morineau: balanço de uma vida em trânsito (Libras)

    Videodocumento