#

patrocínio:

Lei de Incentivo à Cultura Petrobras
Brasil Memória das Artes
Conheça o Brasil Memória das Artes

Gonzaguinha e Marlene: recordistas de público no Projeto Pixinguinha

Com repertório que mesclava canções de dor de cotovelo e denúncia social, a diva do rádio e o jovem compositor levantaram plateias em 1977 e 78

Gonzaguinha e Marlene: parceiros no Projeto Pixinguinha em 1977 e 78

Gonzaguinha e Marlene: parceiros no Projeto Pixinguinha em 1977 e 78

Mídias deste texto

Imagens (11 imagens)

Áudios (13 áudios)

  • < play >
    00:00 vol
    subir
    • Começo de Festa (instrumental) – Marlene e Gonzaguinha

    • A Felicidade Bate à sua Porta / Revista do Rádio – Marlene e Gonzaguinha

    • Primeira Bateria / Mora na Filosofia / Sapato de Pobre / Lata d’Água / Zé Marmita / Primeira Bateria – Marlene e Gonzaguinha

    • Lindo / É Preciso – Gonzaguinha

    • Joia Falsa / Eu fui à Europa / Dedo na Cara / Moleque – Marlene e Gonzaguinha

    • Canário / Artistas da Vida / Samba do Avestruz / João do Amor Divino / Seu Meu Time não Fosse Campeão – Gonzaguinha

    • Ronda / Cabaret – Marlene

    • Gás Neon / Odaléa / Pra Frente Brasil / E por Falar no Rei Pelé? – Gonzaguinha

    • Pesadelo – Marlene

    • Galope – Marlene

    • Começaria Tudo Outra Vez – Gonzaguinha

    • Revista do Rádio / Palavras – Marlene e Gonzaguinha

    • Chão, Pó, Poeira / Galope – Marlene e Gonzaguinha

    descer

No primeiro ano do Projeto Pixinguinha, nenhum espetáculo teve tanto público quanto o de Marlene e Gonzaguinha. Do Rio de Janeiro a Belo Horizonte, passando por São Paulo, Curitiba e Porto Alegre, foram 24.372 espectadores aplaudindo o show que, montado originalmente para o projeto Seis e Meia (como todos os outros do ano de estreia do Pixinguinha), inflamou plateias lotadas nos teatros em que se apresentou naquela temporada de 1977.

“Colaborou muito para essa explosão a forma com que o diretor Fauzi Arap acendeu o pavio, com elegância, inteligência e efeito dirigido”, escreveu o crítico Wladimir Soares na edição de 12 de outubro de 1977 da Folha da Tarde, de São Paulo. Destacando o fato de os dois intérpretes passarem o espetáculo inteiro no palco, o texto ainda exaltava a intensidade de Marlene (“passional, violenta, emotiva, transbordando”) e o amadurecimento de Gonzaguinha: “No último show que ele fez em São Paulo, sua presença no palco já era uma agressão constrangedora. Agora, ele entra com uma convicção de que não estão ali as pessoas que ele quer agredir. Melhor para ele e para o público.”

O repertório também facilitava a reação da plateia, intercalando números românticos e engajados. A dor de cotovelo era cantada em samba de carnaval (“Mora na filosofia / Pra que rimar amor e dor?”) e num bolero recém-composto (“Começaria tudo outra vez / Se preciso fosse, meu amor”). Já as mazelas sociais vinham à tona em antigos sucessos do rádio (“Sobe o morro e não se cansa / Pela mão leva a criança / Lá vai Maria”) e em canções como a “bluesada” E por falar no Rei Pelé?, da safra então mais recente de Gonzaguinha (“Craque mesmo é o povo brasileiro / Com os homens em cima na marcação”). Na Galeria de Áudios ouça o espetáculo na íntegra.

Surgido no começo dos anos 70, egresso do Movimento Artístico Universitário (o MAU), o carioca Luiz Gonzaga Jr. sempre trilhou um caminho musical completamente diferente do pai famoso, o Rei do Baião Luiz Gonzaga. Escrevendo composições românticas ou repletas de memórias da infância vivida no bairro de Estácio (onde foi criado pelos padrinhos), caiu logo no gosto do público, gravando seu primeiro LP em 1973. Quando foi convidado a participar do Projeto Pixinguinha, quatro anos mais tarde, já tinha cinco discos lançados e fãs por todo o país.

Já a cantora Marlene, cujo fã-clube é até hoje um dos mais fiéis do Brasil, ainda emocionava plateias com sambas e marchinhas de carnaval que as consagraram na era do rádio, nos anos 40 e 50, quando travou rivalidade histórica com Emilinha Borba pela coroa de rainha do rádio. Na década de 70, aproximou-se da MPB universitária, dando novo rumo a sua carreira. Como descreveu o jornal porto-alegrense Zero Hora em 25 de outubro de 1977, era uma outra Marlene aquela viajava pelo país com o Projeto Pixinguinha: “de jeans, cabelos encrespados e em desalinho, ela canta hoje talvez até para os netos de suas primeiras fãs, na linguagem de hoje.” Veja reprodução desta e de outras matérias sobre o espetáculo na Galeria de Imagens.

O sucesso de sua dupla com Gonzaguinha fez com que a caravana voltasse à estrada na temporada de 1978, com apresentações no Rio de Janeiro e em Vitória, Salvador, Maceió e Recife. Com 27.118 espectadores, foi o maior público do Projeto Pixinguinha entre as duplas que fizeram turnê pelo Nordeste. É desta segunda temporada a gravação do espetáculo que apresentamos no Brasil Memória das Artes, com acompanhamento musical de Ary Piassarolo (guitarra), Chiquinho (bateria), Cláudio Cacibé (percussão), Jota Moraes (teclado), Luizinho (violão), Mojica (piano), Paulo Maranhão e Tranka (contrabaixos).

Depois das duas temporadas ao lado de Gonzaguinha, Marlene se firmaria como a artista que mais vezes participou do Projeto Pixinguinha, com outras cinco turnês: em 1980 (com João Bosco e Novelli), 81 (com Antonio Adolfo e Wanda Sá), 84 (com Pedro Caetano, Céu da Boca e Hélcio Brenha), 86 (com Zeca do Trombone e Alceu do Cavaco) e 93 (sozinha).

Compartilhe!

Caro usuário, você pode utilizar as ferramentas abaixo para compartilhar o que gostou.

Comentários

6

Deixe seu comentário

* Os campos de nome, e-mail e mensagem são de preenchimento obrigatório.

Ricardo Moreno

enviado em 25 de novembro de 2010

Vi esse show em Recife em 1978, quando tinha 15 anos. Foi um marco para a minha vida. A partir dele virei fã de Gonzaginha e passei a ver todos os shows dele e comprar todos os seus discos. Grande acervo que a FUNARTE disponibiliza. Parabéns!!

Maíra

enviado em 8 de dezembro de 2010

Parabéns, Funarte e seus patrocinadores.

Cassio Moreira

enviado em 15 de março de 2011

tive o privilégio de assistir este espetáculo no tatro francisco nunes em BH minas. inesquecivel.

Nelson Rial

enviado em 21 de setembro de 2011

Além de bater o record de público das apresentações do saudoso Projeto Pixinguinha, A excelente Marlene, ao lado do maravilhoso Gonzaguinha, dão u show de interpretações maravilhosas e inesquecíveis! Ótima essa postagem!!!!!

Carlos Corrêa - Cabo Frio - RJ

enviado em 24 de abril de 2012

Agradeço ao Ricardo Moreno a reportagem no jornal Pôr do Sol sobre o espetáculo de Marlene e Gonzaguinha no projeto Pixinguinha que me levou a conhecer este acervo maravilhoso, parabéns a Funarte.

João

enviado em 27 de julho de 2012

Marlene, ídolo mítico atemporal!!!Grande cantora no qual desde os meus 10 anos de idade venho acompanhando!! Nessa época era bebê,mas desde a barriga da minha mãe já era Marlenista, RSSS.

Textos

leia todos os 212 textos deste acervo »

Imagens

veja todas as 301 imagens deste acervo »

Áudios

ouça todos os 783 áudios deste acervo »

  • Músicas
    • + info
      • Título: O passarinho cantou
      • Intérprete(s): Show Ivan Lins e Nana Caymmi
      • Compositor: Ivan Lins e Vitor Martins
      • Ano: 1977
      • Gênero: Ao Vivo
      • Faixa: 18/18

     

    O passarinho cantou - Nana Caymmi e Ivan Lins

  • Músicas
    • + info
      • Título: Pisando em brasa
      • Intérprete(s):
      • Compositor:
      • Ano: 1978
      • Gênero: Ao Vivo
      • Faixa: 22/22

     

    Pisando em brasa - Canhoto da Paraíba

  • Músicas
    • + info
      • Título: Nascente
      • Intérprete(s):
      • Compositor:
      • Gênero: Ao Vivo
      • Faixa: 11/11

     

    Nascente – Beto Guedes

Vídeos

veja todos os 88 vídeos deste acervo »

  • Cachaça, árvore e bandeira – Moacyr Luz

    Cachaça, árvore e bandeira - Moacyr Luz

    Shows
  • DVD Funarte – Pixinguinha 2005 – Documentário – parte 10 de 10

    DVD Funarte – Pixinguinha 2005 – Documentário - parte 10 de 10

    Documentários
  • DVD Funarte – Pixinguinha 2006 – parte 05 de 05

    DVD Funarte – Pixinguinha 2006 – parte 05 de 05

    Documentários