#

patrocínio:

Lei de Incentivo à Cultura Petrobras
Brasil Memória das Artes
Conheça o Brasil Memória das Artes

Biografia de Sergio Britto

Sergio Britto. Fotógrafo não identificado. Cedoc-Funarte

Sergio Britto. Fotógrafo não identificado. Cedoc-Funarte

Mídias deste texto

Imagens (14 imagens)

Áudios (1 áudio)

  • < play >
    00:00 vol
    • Entrevista com Sérgio Britto

(texto de 2006)

Sergio Pedro Corrêa de Britto nasce em 29 de junho de 1923, em Vila Isabel, no Rio de Janeiro. Antes de seguir sua verdadeira vocação, forma-se em medicina na Faculdade da Praia Vermelha. Ser ator não passa por sua cabeça, até conhecer Jerusa Camões que o convida para o Teatro Universitário. Colega de Sérgio Cardoso, Edmundo Lopes e Sônia Oiticica, faz o personagem Benvoglio na peça Romeu e Julieta, de William Shakespeare. Em seguida, atua em Quebranto, de Coelho Netto, e em O Pai, de August Strindberg, ambas dirigidas por Esther Leão. Pelas mãos de Paschoal Carlos Magno entra para o Teatro do Estudante, em 1948, e estreia em Hamlet, de Shakespeare, com Sérgio Cardoso no papel-título. É o bastante para abandonar a medicina e seguir a carreira artística.

Em 1949 funda a companhia profissional Teatro dos 12, com a qual atua em Arlequim Servidor de Dois Amos, de Carlo Goldoni, e Tragédia em New York, de Maxwell Anderson. No ano seguinte, transfere-se para São Paulo a fim de trabalhar com Madalena Nicol. Assina sua primeira direção em parceria com Carla Civelli: O Homem, a Besta e a Virtude, de Luigi Pirandello. Com Maria Della Costa faz Manequim, de Henrique Pongetti, sob a direção de Eugênio Kusnet. Seguem-se as montagens de A Prostituta Respeitosa, de Jean Paul Sartre, e Desejo, de Eugene O’Neill.
Integra o Teatro de Arena em 1953. Com o grupo, participa de Esta Noite é Nossa, de Stafford Dickens, sob a direção de José Renato, e de Uma Mulher e Três Palhaços, de Marcel Achard. No Arena, ainda dirige Judas em Sábado de Aleluia, de Martins Pena. Em 1954 inaugura o Teatro Maria Della Costa, onde representa em cinco espetáculos dirigidos por Gianni Ratto: O Canto da Cotovia, de Jean Anouilh; Com a Pulga atrás da Orelha, de Georges Feydeau; Mirandolina, de Goldoni; A Moratória, de Jorge Andrade; A Ilha dos Papagaios, de Sergio Toffano. Um ano depois, integra o Teatro Brasileiro de Comédias. Estreia em A Casa de Chá do Luar de Agosto, de John Patrik, encenada por Maurice Vaneau; em seguida, faz Um Panorama Visto da Ponte, de Arthur Miller, com direção de Alberto D´Aversa.

Pioneiro da televisão brasileira, é criador, diretor e ator do Grande Teatro Tupi, no ar por mais de dez anos. Com elenco no qual se destacam Fernanda Montenegro, Ítalo Rossi, Natália Thimberg, Manoel Carlos, Fernando Torres, Zilka Salaberry, Aldo de Maio e Cláudio Cavalcanti, o teleteatro apresenta sob o seu comando repertório de mais de 450 peças dos maiores autores nacionais e estrangeiros. Depois de seis anos na TV Tupi, o Grande Teatro transfere-se, já na era do videoteipe, para a TV Rio e depois, por seis meses, para a TV Globo – um programa formador de plateia, referência na história da televisão e do teatro brasileiros.
Em 1959, com o mesmo grupo de artistas do Grande Teatro, forma o Teatro dos Sete. A companhia estreia com O Mambembe, de Arthur Azevedo e José Piza, com direção de Gianni Ratto, no Teatro Municipal do Rio de Janeiro. O Beijo no Asfalto, de Nelson Rodrigues, escrita especialmente para o grupo, é uma das grandes encenações do Teatro dos Sete. Por toda a década de 60 dedica-se ao teatro e à TV, onde alcança sucesso em espetáculos como O Homem do Princípio ao Fim, de Millôr Fernandes; Mirandolina, de Goldoni; e Volta ao lar, de Harold Pinter. Em 1970 inaugura o Teatro Senac, em Copacabana, com Fim de Jogo, de Samuel Becket, e O Marido Vai à Caça, de Georges Feydeau, ambas dirigidas por Amir Haddad.

Sempre antenado com as novas tendências do teatro moderno, envolve-se em montagens arrojadas e experimentais. Depois de Tango, de Mrozek; Missa Leiga, de Chico de Assis; e A Gaivota, de Tchecov, participa de Os Autos Sacramentais, de Calderón de La Barca, ao lado do diretor vanguardista argentino Victor Garcia e da empresária Ruth Escobar. Nesta peça, que cumpre temporada internacional, em 1974, na Inglaterra, em Portugal, na Itália e no Irã, o ator aparece nu em cena, aos 51 anos, ao lado de seus colegas de elenco. Em seguida, também com Garcia e Escobar, faz a revolucionária encenação de O Balcão, de Jean Genet. Sua paixão pela ópera o leva à montagem polêmica de La Traviata e depois de O Guarani, Carmen e ILCampanello, todas sob sua direção.

Teatro dos Quatro

Funda o Teatro dos Quatro em 1978, com Paulo Mamede, Mimina Roveda e José Ribeiro Neto, no Shopping da Gávea, no Rio de Janeiro. Durante 15 anos produzem repertório irrepreensível em 17 espetáculos, entre os quais se destacam Os Veranistas, de Gorki;  Papa Highirte, de Oduvaldo Vianna Filho; Os Órfãos de Jânio, de Millôr Fernandes; Rei Lear, de Shakespeare, Assim é se lhe Parece, de Luigi Pirandello; A Cerimônia do Adeus, de Mauro Rasi; e Quatro Vezes Becket. Pelo espetáculo de estreia, Os Veranistas, ele recebe os prêmios Molière e Mambembe.
Na TV Excelsior de São Paulo, dirige as novelas A Muralha e Sangue do Meu Sangue. Na Globo, atua nas novelas Anjo Mau, Super Manoela, Olhai os Lírios do Campo, Escalada e Paraíso.  Na Manchete, participa de Dona Beija, Marquesa de Santos, Pantanal e Chica da Silva. Na década de 90, à frente do Teatro Delfin, realiza espetáculos em parceria com Clóvis Levi, entre os quais, Na Era do Rádio e, posteriormente, Ai, Ai, Brasil, musical sobre as raízes de nossa história. E diversificando ainda mais suas atividades, ministra cursos para jovens atores e auxilia na implantação da Casa de Artes de Laranjeiras (CAL).

Em 2003, ao completar 80 anos, protagoniza Sergio 80, peça escrita e dirigida por Domingos de Oliveira. Em 2005 encena o monólogo Jung e Eu, de Domingos de Oliveira e Giselle Kosovski, no qual vive o psiquiatra suíço, comemorando com esta peça 60 anos de carreira.
Atualmente apresenta o programa Arte com Sergio Britto, na TV Educativa do Rio de Janeiro, no qual focaliza diferentes aspectos da produção cultural – em teatro, ópera, artes plásticas, literatura, música e cinema.

Saiba mais sobre Sergio Britto em:

BRITTO, Sergio. Fábrica de Ilusão: 50 Anos de Teatro. Rio de Janeiro: Funarte; Salamandra, 1996.
Programa Arte com Sergio Britto – TVE Brasil: http://www.tvbrasil.org.br/artecomsergiobritto
BRANDÃO, Tania. A Máquina de Repetir e a Fábrica de Estrelas: Teatro dos Sete. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2002


Sobre o Autor, Christine Junqueira

Pesquisadora teatral e Doutora em Teatro pela UNIRIO.

Compartilhe!

Caro usuário, você pode utilizar as ferramentas abaixo para compartilhar o que gostou.

Comentários

0

Deixe seu comentário

* Os campos de nome, e-mail e mensagem são de preenchimento obrigatório.

Textos

leia todos os 23 textos deste acervo »

Imagens

veja todas as 351 imagens deste acervo »

Áudios

ouça todos os 26 áudios deste acervo »

  • Entrevistas
    • + info
      • Título: Entrevista Ankito
      • Intérprete(s): Ankito
      • Ano: 2006
      • Faixa: 1/1

     

    Entrevista com Ankito

  • Entrevistas
    • + info
      • Título: Entrevista com Carmen Silva
      • Intérprete(s): Carmen Silva
      • Ano: 2006
      • Faixa: 1/1

     

    Entrevista com Carmen Silva

  • Entrevistas
    • + info
      • Título: Entrevista Louzadinha
      • Intérprete(s): Sérgio Fonta
      • Ano: 2006

     

    Entrevista com Oswaldo Louzada

Vídeos

veja todos os 2 vídeos deste acervo »

  • Dulcina, atriz e teatro

    Dulcina, atriz e teatro

    Videodocumento
  • Maria Pompeu

    Maria Pompeu

    Videodocumento