#

patrocínio:

Lei de Incentivo à Cultura Petrobras Ministério da Cultura Brasil um país de todos
Brasil Memória das Artes
Conheça o Brasil Memória das Artes

Biografia de Geninha da Rosa Borges

Geninha. Fotógrafo não identificado. Acervo TAP.   Cedoc-Funarte

Geninha. Fotógrafo não identificado. Acervo TAP. Cedoc-Funarte

Mídias deste texto

Imagens (13 imagens)

Áudios (1 áudio)

  • < play >
    00:00 vol
    • Entrevista com Geninha da Rosa Borges

Maria Eugênia Franco de Sá, filha de um amazonense e de uma carioca, nasce em 21 de junho de 1922 na cidade de Recife, Pernambuco. Estuda no Colégio São José, onde participa de atividades culturais e revela o seu pendor para o teatro. Em 1941, com um grupo de moças da sociedade recifense, atua em Noite de Estrelas, uma apresentação teatral beneficente. O autor da peça, o médico e diretor Valdemar de Oliveira, encanta-se com o seu desempenho e a convida a integrar o grupo que deu origem ao Teatro de Amadores de Pernambuco (TAP). Anos mais tarde, é por ele apresentada a Otávio da Rosa Borges, irmão de sua esposa Diná, com quem ela se casa em 1946.

Geninha estreia como protagonista da peça Primerose, de Robert de Flers e Gaston de Caillavet, em 1941, sob a direção de Valdemar de Oliveira, e recebe muitos elogios da crítica teatral. No ano de 1944, o TAP, numa atitude ousada, convida o diretor polonês Zigmunt Turkow – que desde 1941 trabalhava junto ao teatro amador da comunidade judaica de Recife – a dirigir A Comédia do Coração, de Paulo Gonçalves. Nesta peça, o elenco integrado pela atriz descobre a importância do encenador como “orquestrador do espetáculo”. Geninha, ao longo da participação neste e em muitos elencos das peças representadas pelo TAP, também tem a oportunidade de ser dirigida por artistas nacionais e estrangeiros de renome como Zbigniew Ziembinski, Graça Melo, Flamínio Bollini Cerri, Bibi Ferreira, Luís de Lima, entre outros. Destaca-se como diretora e intérprete em Yerma, de Garcia Lorca (1978), A Promessa, de Luiz Marinho (1983) e As Lágrimas Amargas de Petra Von Kant, de Rainer Fassbinder (1987).

O Teatro de Santa Isabel, importante patrimônio cultural de Pernambuco, foi sede do TAP de 1941 a 1963. Geninha o dirige em quatro ocasiões: de 1983 a 1986; de 1991 a 1993 e de 1994 a 1997. A vida da atriz confunde-se com o teatro a tal ponto que ela lhe dedica o livro: Teatro de Santa Isabel: Nascedouro & Permanência.

Formada em letras anglo-germânicas e em pedagogia pela Faculdade de Filosofia do Recife, é designada, em 1964, pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC) para coordenar a equipe do Sistema Nacional de TV e Rádio Educação e dar início a um programa pioneiro em Pernambuco de aulas teatralizadas para o rádio. Entre outubro de 1966 e setembro de 1967, passa seis meses nos Estados Unidos e dois meses no Japão, onde realiza cursos de pós-graduação em teleducação. Geninha, que pertence à Academia de Artes e Letras de Pernambuco e à União Brasileira dos Escritores (UBE), Seção de Pernambuco, possui em seu currículo alguns trabalhos publicados na área da educação e da cultura.

No final da década de 30, participa do primeiro filme pernambucano falado: O Coelho Sai, de Firmo Neto (1939). Em 1983 é contratada por Tizuka Yamazaki para fazer a diretora da escola no filme Parahyba Mulher Macho. Conta-se que Tizuka olhou para ela e perguntou: “Você é a Greta Garbo do Nordeste?”. Também atua no filme Baile Perfumado, de Paulo Caldas e Lírio Teixeira (1997) e nos curtas-metragens Nóis Sofre Mais Nóis Goza, de Sandra Ribeiro e Conceição, de Heitor Dhalia, ambos filmados no ano de 2002. Faz sua primeira aparição na televisão em 2004, na novela Da Cor do Pecado, de João Emmanuel Carneiro, produzida pela TV Globo.

Em 2002 comemora 80 anos de idade com uma temporada no Rio de Janeiro, no palco da Casa de Cultura Laura Alvim, com o espetáculo 2 em 1, no qual encena e assina Solilóquios de Yerma, uma adaptação reduzida de Yerma, de Federico Garcia Lorca e O Marido Domado, peça criada especialmente para ela por Ariano Suassuna, inspirada em A Megera Domada, de William Shakespeare.

Considerada um exemplo de dedicação e amor à causa do teatro de Pernambuco, Geninha é homenageada com o espetáculo Geninha 80 Anos? – Não Acredito!, de Fernando de Oliveira, realizado pelo TAP no ano de 2002. Hoje, Geninha da Rosa Borges, com seus 65 anos de carreira, contabiliza uma larga experiência na área da educação e do teatro, razão suficiente para que continue a ser convidada a participar de trabalhos, conferências, leituras de peças, lançamentos de livros, comemorações, homenagens e júris de festivais de teatro, em diversas instituições públicas e privadas. Recebeu várias vezes os prêmios de “Melhor Atriz” e “Melhor Diretora”, e é conhecida como a “Grande Dama do Teatro Pernambucano”.

Saiba mais sobre Geninha da Rosa Borges:

BOTTO, Márcia. Geninha da Rosa Borges: A Dama do Teatro. Recife: Cepe, 1997.
BORGES, Geninha da Rosa. Teatro de Santa Isabel: Nascedouro & Permanência. Recife: Cepe, 1992.
Site do Teatro de Amadores de Pernambuco (TAP) – www.tap.org.br

Sobre o Autor, Christine Junqueira

Pesquisadora teatral e Doutora em Teatro pela UNIRIO. Texto de 2006.

Compartilhe!

Caro usuário, você pode utilizar as ferramentas abaixo para compartilhar o que gostou.

Comentários

1

Deixe seu comentário

* Os campos de nome, e-mail e mensagem são de preenchimento obrigatório.

Luis

enviado em 11 de novembro de 2011

Conheci-a hoje. Grande mulher!!

Textos

leia todos os 23 textos deste acervo »

Imagens

veja todas as 351 imagens deste acervo »

Áudios

ouça todos os 26 áudios deste acervo »

  • Entrevistas
    • + info
      • Título: Entrevista Ankito
      • Intérprete(s): Ankito
      • Ano: 2006
      • Faixa: 1/1

     

    Entrevista com Ankito

  • Entrevistas
    • + info
      • Título: Entrevista com Carmen Silva
      • Intérprete(s): Carmen Silva
      • Ano: 2006
      • Faixa: 1/1

     

    Entrevista com Carmen Silva

  • Entrevistas
    • + info
      • Título: Entrevista Louzadinha
      • Intérprete(s): Sérgio Fonta
      • Ano: 2006

     

    Entrevista com Oswaldo Louzada

Vídeos

veja todos os 2 vídeos deste acervo »

  • Dulcina, atriz e teatro

    Dulcina, atriz e teatro

    Videodocumento
  • Maria Pompeu

    Maria Pompeu

    Videodocumento