Strict Standards: Declaration of EventosWidget::widget() should be compatible with WP_Widget::widget($args, $instance) in /var/www/html/funarte/bienaldemusica/wp-content/themes/kalango/events/events.php on line 495
» Compositores e Intérpretes

Compositores e Intérpretes

27/928/929/930/91/102/104/105/106/10

2 de outubro de 2013 – quarta-feira, 19h

Tato Taborda (Pretextato Taborda Junior, taborda.tato@gmail.com e tatotaborda@terra.com.br, Curitiba/PR, 11/1/1960) é compositor, pianista e professor e curador de ações artísticas dedicadas à experimentação sonora. Estudou com Esther Scliar, H. J. Koellreutter e nos Cursos Latino-Americanos de Música Contemporânea. Tem obras encomendadas por entidades como Pró-Música Nova Bremen, Donaueschinger Musiktage e Bienal de Munique. Compôs para mais de 40 espetáculos de teatro e dança, recebendo o Troféu Mambembe, o Prêmio Coca-Cola, e por duas vezes o Premio Klauss Vianna. A partir de 1992, iniciou a construção do multi-instrumento “Geralda”, orquestra eletro-acústica com mais de 70 fontes sonoras. Em parceria com a bailarina Maria Alice Poppe, desenvolve o projeto Pensamentos Cruzados, que investiga relações entre música e movimento. É professor visitante da Universität der Kunst, em Berlim, e professor do Curso de Artes e da pós-graduação em Estudos Contemporâneos das Artes, na Universidade Federal Fluminense.

Figura sobre um fundo (obra em estreia mundial, encomendada pela Funarte em 2012) homenageia a intensa colaboração entre o compositor John Cage e o coreógrafo Merce Cuningham. Escrita para piano preparado e bailarina, a obra será apresentada na versão para piano solo. Um piano no esqueleto, vísceras à mostra, atravessado por parafusos, garfos e lanças variadas, que perfuram seu pathosromântico e abrem-lhe fendas, por onde escorre uma seiva rouco-viscosa, vibrátil, cintilante e ruidosa. Da ressonância desse caldo espesso irradia − com a ajuda de um artefato de altíssima tecnologia − a voz do mundo num radinho de pilha.

Intérprete
piano preparado e radio Tatiana Dumastatianadumas@gmail.com


Murillo Santos
(Murillo Tertuliano dos Santos, neilaalves93@yahoo.com.br, Rio de Janeiro/RJ, 30/3/1931) iniciou os estudos de piano no Conservatório Brasileiro de Música com Liddy Mignone, continuados em pós-graduação com Arnaldo Estrella, na Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde se diplomou em composição e regência com José Siqueira e Henrique Morelenbaum, e foi professor adjunto de composição. Também estudou com Esther Scliar, Paulo Silva e Guerra-Peixe. Foi instrumentista da Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal do Rio de Janeiro e desenvolveu intensa atividade como camerista. Sua produção musical inclui peças para solistas, canto e piano, coros, música de câmara e sinfônica, além de uma ópera.

Lúdica II (obra em estreia mundial, encomendada pela Funarte em 2012), composta na forma ABA’B’, traz um jogo melódico, harmônico e rítmico, com as consequentes tensões e relaxamentos.

Intérpretes
Quarteto Camargo Guarnieri:
violino Elisa Fukudae.yuriko@terra.com.br
violino Ricardo Takahashi – ricotk@hotmail.com
viola Silvio Catto – violacatto@gmail.com
violoncelo Joel de Souzajoelcello@hotmail.com


Helder Oliveira
(Helder Alves de Oliveira, heldcomposer@gmail.com, Campina Grande/PB, 25/10/1987) é licenciado em música e técnico em piano pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, onde estudou análise musical, foi professor substituto de Análise e Percepção Musical e educador musical. Aperfeiçoou-se em composição com Manoel Nascimento, em Natal. Cursa o mestrado em composição na Universidade Federal da Paraíba, orientado por Liduino Pitombeira, e tem artigos associados à sua pesquisa sobre a relação entre a música e a Gestalt, publicados em anais de congressos nacionais.

Devaneio (obra em estreia mundial, vencedora do Prêmio Funarte de Composição Clássica em 2012), foi construída a partir de manipulações intertextuais combinadas à filtragem de alturas, através de conjuntos de classes de notas específicas. As mudanças de caráter, que representam alterações de foco de pensamento, se associam à atmosfera de delírio e sonho.

Intérpretes
Quarteto Camargo Guarnieri:
violino Elisa Fukudae.yuriko@terra.com.br
violino Ricardo Takahashi – ricotk@hotmail.com
viola Silvio Catto – violacatto@gmail.com
violoncelo Joel de Souzajoelcello@hotmail.com

Eli-Eri Moura (Eli-Eri Luiz de Moura, elierimoura@hotmail.com, Campina Grande/PB, 30/3/1963), doutor em composição pela McGill University, Canadá, é professor do Departamento de Música da Universidade Federal da Paraíba, onde fundou o Laboratório de Composição Musical e liderou a implantação da área de composição nos níveis de extensão, graduação e pós-graduação. Compôs um grande número de trilhas sonoras para teatro, cinema e vídeo, e foi premiado em vários festivais. Lançou quatro CDs autorais: Trilhas, Réquiem Contestado, Música de Câmara e Música Instrumental, o último patrocinado pelo Programa Petrobras Cultural.

Circumfractus (obra em estreia mundial, encomendada pela Funarte em 2012) é um estudo de recortes temporais envolvendo, de forma caleidoscópica, fragmentações, continuidades, transformações e elaborações de pequenos materiais e elementos extraídos de peças anteriores do compositor e de manifestações musicais típicas do Nordeste brasileiro.

Intérpretes
Quarteto Camargo Guarnieri:
violino Elisa Fukudae.yuriko@terra.com.br
violino Ricardo Takahashi – ricotk@hotmail.com
viola Silvio Catto – violacatto@gmail.com
violoncelo Joel de Souzajoelcello@hotmail.com


Danniel Ferraz
(Danniel Rocha Ferraz Ribeiro, dannfribeiro@gmail.com, Vitória da Conquista/BA, 3/11/1989) cursa o bacharelado em composição e regência na Universidade Federal da Bahia, orientado por Paulo Costa Lima, Wellington Gomes e Agnaldo Ribeiro. Participou de masterclasses e de cursos com Jon Appleton, Felipe Lara, João Pedro Oliveira, Antônio Borges-Cunha, Helmuth Flammer, Jaime Reis e Paul C. Chagas. Como bolsista, integrou projetos voltados para o ensino de composição musical na Bahia e sobre difusão de música de concerto contemporânea baiana.

RAW (obra em estreia mundial, vencedora do Prêmio Funarte de Composição Clássica em 2012) é um duo para flauta e piano inspirado em concepções estruturais de uma escala octatônica tradicional, a partir de seus elementos mais básicos até sua disposição completa, em movimentos de aproximação e afastamento de uma sonoridade alvo, como se a buscasse em suas origens ou demonstrasse aos poucos sua forma integral. A peça comporta-se de forma orgânica, tendo ênfase em seus movimentos gestuais como respirações em diferentes proporções.

Intérpretes
flauta Rubem Schuenck – rubem_schuenck@yahoo.com.br
piano Josiane Kevorkianjkevorkian@ilhadepaqueta.com.br


Alfredo Barros
(Alfredo Jacinto de Barros, alfredo.barros@me.com e alfredo.barros@uece.br, Teresinha/PE, 11/4/1966) é doutor em composição pela Universidade do Texas, em Austin/EUA. Rege a orquestra sinfônica da Universidade Estadual do Ceará, onde leciona matérias teóricas e composição no Curso de Música que coordena. Compôs obras para vários conjuntos e música eletroacústica, além de trabalhos para dança e vídeo. Obteve 1º e 2° lugares, respectivamente, na XIX e na XX Apresentação de Compositores da Bahia;  recebeu o 1º lugar no II Concurso Psychopharmacon de Obras Corais e 2º lugar no Concurso Tinta Fresca, da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais. Sua monografia sobre o compositor Lindembergue Cardoso mereceu o 2º lugar em concurso promovido pela Academia Brasileira de Música.

Brevíssimo inventário (obra em estreia mundial, encomendada pela Funarte em 2012) caracteriza-se pela fragmentação de ideias motívicas, que se desenvolvem de um modo no qual os dois protagonistas têm a mesma importância. Entre distante e próximo, o diálogo entre eles reflete, em parte, a desconectividade do viver contemporâneo, mas o tecido desenvolvido é contínuo e organizado. A obra homenageia um irmão falecido.

Intérpretes
clarineta Marcos Passos – passosjunior@hotmail.com
violão Maria Haromariaharo@gmail.com


José Augusto Mannis
(jamannis@uol.com.br, São Paulo/SP, 23/6/1958) é compositor, performer eletroacústico, sound designer, professor universitário, pesquisador. Suas composições vão da música instrumental à eletroacústica, às trilhas sonoras, criações radiofônicas e instalações multimeios. Estudou na Faculdade de Engenharia Industrial em São Bernardo do Campo/São Paulo, no Instituto de Artes da Universidade do Estado de São Paulo e no Conservatório Nacional Superior de Música de Paris; fez mestrado na Universidade de Paris VIII e doutorado na Universidade de Campinas, onde ensina composição, contraponto, áudio e acústica. Desenvolve pesquisas no campo da música, acústica, engenharia de áudio e ciência e tecnologia aplicadas à música, à catalogação de documentos musicais e à acústica de salas. É membro da Academia Campineira de Música, da Sociedade Brasileira de Engenharia de Áudio, da Sociedade Brasileira de Acústica, da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música e da Aliança Francesa de Campinas.

O Estudo para MD (obra em estreia mundial, encomendada pela Funarte em 2012) é dedicado ao violonista Daniel Murray que, durante o processo de composição, colaborou para a implementação de recursos de técnicas estendidas. A escritura está centrada em progressões rítmicas e arpejos. A condução musical é assumida, sobretudo, pela mão direita, alternando modos de tocar e variando dedilhados com a mão esquerda fixa. O intérprete e performer tem desafios de coordenação gestual e rítmica a enfrentar para obter uma continuidade natural no encadeamento e superposição das técnicas instrumentais. A virtuosidade de Daniel Murray e sua segurança de preparação técnica tornaram possíveis a escritura inovadora desta peça.

Intérprete
violão Daniel Murray - contato@danielmurray.com.br


Raul do Valle
(Raul Thomaz de Oliveira do Valle, rauldovalle@hotmail.com, Leme/SP, 27/3/1936) é, segundo Aylton Escobar, “incansável investigador. Indiscreto. A música para Raul do Valle é um jogo. A beleza e a poesia encontram-se na sutil movimentação do som insuspeitável. Este é o vale do Raul.

Em Ipês (obra em estreia mundial, encomendada pela Funarte em 2012), três movimentos curtos se encadeiam ao sabor da sedução sonora de timbres da flauta e do flautim, num jogo de trocas e transformações.

Intérpretes
flautas e flautins Andréa Ernest Diasandreaernest@gmail.com
flautas e flautins David Gancdavidganc@gmail.com
flautas e flautins Elizabeth Ernest Dias – bethed2003@yahoo.com.br
flautas e flautins Sammy Fuksfukssammy@yahoo.com


Tim Rescala
(Luiz Augusto Rescala, tim@timrescala.com.br, Rio de Janeiro/RJ, 21/11/1961) estudou  na Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro e na Escola de Música Villa-Lobos. Aprofundou seus conhecimentos em composição, contraponto e arranjo com H. J. Koellreutter, e licenciou-se pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, em 1983. Compositor e diretor musical de peças de teatro, recebeu os prêmios Mambembe, Shell, Coca-Cola e APTR. Faz música para cinema e trabalha para a TV Globo desde 1989. É autor de óperas, musicais, música de câmera e eletroacústica, e sua peça Pianíssimo foi o primeiro texto infantil apresentado na Comédie Française. Recebeu as bolsas Vitae e Rio-Arte e foi diretor da Sala Baden Powell. Desde 2011, escreve e apresenta o programa Blim-blem-blom na rádio MEC-FM. Seu Quarteto Circular foi indicado ao Grammy Latino de 2011. Em outubro de 2013, estreia em Buenos Aires a ópera O perigo da arte, com música e libreto de sua autoria, encomendada pelo Núcleo de Ópera Contemporânea.

Desdobrado (obra em estreia mundial, encomendada pela Funarte em 2012) é um dobrado às avessas. A partir de uma rápida exposição daquilo que seria um tema de um dobrado tradicional, é construída uma peça de concerto. Os elementos característicos do gênero são constantemente desfigurados, sobretudo ritmicamente, gerando universos sonoros diferentes, como se fossem imagens distorcidas por espelhos de formas inusitadas. Há um destaque para a tuba, cuja perseverança em sua função de sustentação do todo é notável.

Intérpretes
Art Metal Quinteto:
trompa Antônio Augusto – antoniojaugusto@gmail.com
trompete Wellington Mourawellingtonfbf@hotmail.com
trompete Jessé Sadocjsadoc1@yahoo.com.br
trombone João Luiz Areiasjlareias@uol.com.br
tuba Eliezer Rodrigues – elimusilva@hotmail.com


Alexandre Schubert
(Alexandre de Paula Schubert, alexschubert@globo.com, Manhumirim/MG, 23/2/1970) é mestre e bacharel em composição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde leciona no Departamento de Composição. Autor de mais de 120 títulos, recebeu 13 prêmios de composição e tem obras executadas na Europa e nos Estados Unidos, onde algumas delas foram apresentadas na série Composer’s Voice, em Nova Iorque. Seu Réquiem integrou a turnê Sonora Brasil (2011/12) e foi ouvido em Portugal nas comemorações do Ano do Brasil em Portugal; Delumine foi levada em Dresden por membros da Filarmônica dessa cidade. As Antífonas Marianas foram compostas para a turnê europeia dos Canarinhos de Petrópolis. Participou do III Festival Ibero-americano, em São Petersburgo, na Rússia; do festival World Music Day, na Suíça; da Copa Cultural, em Berlim. Sua ópera Chagas, em parceria com Silvio Barbato, foi apresentada no Palácio das Artes, em Belo Horizonte. Tem obras encomendadas e gravadas em diversos CDs, e é membro do grupo Prelúdio 21.

Sinfonias (obra em estreia mundial, encomendada pela Funarte em 2012), referentes às Sacrae Symphoniae, de Gabrielli, exploram efeitos tímbricos e recursos polifônicos. Em alguns momentos, o órgão tem um papel solista; em outros, integra o discurso geral, ou dá voz aos metais. No primeiro movimento, Entrada, o compositor procurou criar gestos sonoros em que o diálogo dos instrumentos percorresse o espaço do palco. No Primeiro interlúdio, o órgão tem papel solista, complementado pelos metais. A Meditação traz sonoridades sutis, e sua segunda parte desenvolve ampla melodia para o órgão, repetida nos metais. O Segundo interlúdio destaca os trompetes em passagens virtuosísticas. E o Final apoteótico, com entradas sucessivas dos instrumentos, leva a uma melodia expressiva na trompa, repetida pelo órgão com contraponto nos metais. Um grande crescendo da dinâmica conduz a um clímax sonoro, com o retorno à ideia inicial.

Intérpretes
órgão Alexandre Rachidalexrachid@globo.com
trompa Philip Doylep.doyle@terra.com.br
trombone Everson Moraesmoraeseverson@yahoo.com.br
trombone baixo Leandro Dantaslddbone@gmail.com e leandrodantas1@hotmail.com

Art Metal Quinteto:
trompa Antônio Augusto – antoniojaugusto@gmail.com
trompete Wellington Mourawellingtonfbf@hotmail.com
trompete Jessé Sadocjsadoc1@yahoo.com.br
trombone João Luiz Areiasjlareias@uol.com.br
tuba Eliezer Rodrigues – elimusilva@hotmail.com
regente Marcelo Jardimwindsym@gmail.com

Comments

0

Leave your comment

* Name and E-mail fields cannot be empty