Strict Standards: Declaration of EventosWidget::widget() should be compatible with WP_Widget::widget($args, $instance) in /var/www/html/funarte/bienaldemusica/wp-content/themes/kalango/events/events.php on line 495
» Instituições Parceiras

Instituições Parceiras

Centro Técnico Audiovisual – CTAv

O Centro Técnico Audiovisual/CTAv foi criado, em 1985, a partir de uma parceria entre a Embrafilme e o National Film Board, do Canadá. Um acordo de cooperação técnica possibilitou a implementação do CTAv, vinculado à Diretoria de Operações Não-Comerciais da Embrafilme. Em 2003, após passar pela estrutura de vários órgãos da administração pública, inclusive pela Funarte, o CTAv foi incorporado à Secretaria do Audiovisual, órgão da administração direta do Ministério da Cultura. Sua missão é viabilizar a produção, a preservação e a difusão do cinema e do audiovisual brasileiros, além de promover a capacitação e a inovação tecnológico-profissional, observados os princípios de liberdade de criação artística e respeito às manifestações culturais da sociedade. O órgão figura como um pólo de vertente técnica e operacional da atividade audiovisual, que faz a cessão gratuita de equipamentos de som e imagem para a produção audiovisual independente e a prestação de serviços técnicos. Para mais informações:www.ctav.gov.br


Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro

A Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro é a mais antiga instituição de ensino musical do Brasil. Fundada em 1848, ministra cursos da musicalização infantil à pós-graduação, e destina-se ao ensino e à pesquisa, visando principalmente a graduação em nível superior, nas atividades de execução, interpretação, criação musical e formação de professores. Desenvolve extensa produção artística em suas três salas de concertos. A temporada é formada pelos recitais de alunos, professores e técnicos, pela produção dos projetos de extensão e pela programação dos conjuntos estáveis (orquestras, coros e grupos de câmara). Também realiza palestras, seminários, congressos e simpósios, e mantém uma das mais importantes bibliotecas de música da América latina, com coleções de manuscritos e obras raras desde o século XVI, e acervo atualizado com aquisições anuais de livros, periódicos e partituras.

Cursos que ministra

• Curso de Bacharelado: confere aos formandos o título de Bacharel em Música nas habilitações de Práticas Interpretativas (canto, instrumento e regência) e de Composição. Esse curso oferece a possibilidade de aprimoramento técnico e de aprofundamento teórico a 26 habilitações em quatro diferentes áreas: canto, composição, regência (coral, orquestral e de banda) e instrumento (piano, cravo, órgão, violino, viola, violoncelo, contrabaixo, harpa, percussão, flauta, oboé, clarineta, fagote, trompa, trompete, trombone, tuba, saxofone, violão, bandolim e cava- quinho). É a maior oferta de habilitações em música de uma universidade pública brasileira.

• Curso de Licenciatura: forma professores de música e educadores musicais, capacitados pedagogicamente para atuarem na Educação Básica, bem como em outros espaço, que hoje se apresentam na sociedade, tais como projetos sociais e escolas livres de música. As atividades coletivas são valorizadas e é oferecida uma formação pedagógica direcionada para diferentes espaços no mercado de trabalho, como educação musical infantil, educação musical especial e ensino de música na educação fundamental.

• Programa de Pós-Graduação: voltado à formação para a pesquisa e ao aprofundamento da formação científica, cultural, artística e profissional − tem por finalidade a capacitação para a docência de graduação; a formação ampla e aprofundada nos diversos setores da música; a aquisição de competências individuais para a pesquisa; o desenvolvimento de projetos de pesquisa relacionados com as linhas de pesquisa contempladas no Programa; e a interação com as atividades de graduação. Ocupa-se, ainda, da publicação da Revista Brasileira de Música.

Para mais informações, acessar www.musica.ufrj.br


Radio MEC

A Rádio MEC, desde sua fundação, teve a música clássica como base de sua programação musical. Alguns de seus programas fazem parte da história da música brasileira, como Música e Músicos do Brasil, no ar há mais de 50 anos. Esse perfil foi herdado pela MEC FM, que há 30 anos veicula gravações e programas ao vivo com nossos mais importantes compositores e intérpretes.

A lista de encontros e tangências pode começar com o maestro Edino Krieger, criador das Bienais, que por muitos anos foi produtor atuante na emissora. De sua atuação como divulgador de obras de compositores brasileiros, destacam-se, entre outras realizações, a produção do programa Música Viva, com H. J. Koellreutter, desde os anos 1940; a criação da Orquestra Sinfônica Nacional e as gravações por ela realizadas, que figuram como raridades do acervo da emissora, e foram fundamentais para o registro de diversas obras de compositores brasileiros. Muitas dessas gravações foram transcritas para LPs e para CDs, pela Funarte e pela Associação de Amigos da Rádio MEC. Está planejada a digitalização e disponibilização do acervo da emissora.

Espaço desde sempre aberto para a difusão da música − em especial da brasileira −, a Rádio MEC FM está presente nessa XX Bienal mediante a organização de programas especiais trazendo as obras apresentadas em eventos passados e, de novembro a dezembro próximos, as ouvidas na atual Bienal.

Acessos: por e-mail − ouvinte@radiomec.com.br; site – www.radiomec.com.br; pelo Facebook − https://www.facebook.com/radiomecfm


Academia Brasileira de Música

Fundada em 14 de julho de 1945, por Heitor Villa-Lobos, como instituição cultural sem fins lucrativos, tem como objetivo principal a divulgação da música clássica brasileira. É composta por quarenta acadêmicos, personalidades de destaque no meio musical brasileiro nas áreas da composição e da educação musical, da interpretação e da musicologia. Por Decreto de 6 de junho de 1947, é órgão técnico consultivo do governo federal.

Trabalhos de que desenvolve:

• Bibliografia Musical Brasileira: banco de dados on-line que reúne cerca de 120.000 informações sobre música brasileira, publicadas no Brasil ou no exterior, e sobre a produção musicológica de brasileiros. Para consultar ou cadastrar publicações, escrever para bibliografia@abmusica.org.br ou acessar http://www.abmusica.org.

• Banco de Partituras de Música Brasileira: programa de editoração eletrônica de música brasileira, que também incorpora obras já editoradas. Disponibiliza cerca de 3.500 títulos para venda de partituras ou aluguel de partituras e de material de orquestra. Para consultar os títulosdisponíveis, ou depositar obras nesse Banco, escrever para bancodepartituras@abmusica.org.br ou acessar http://www.abmusica.org.br/musica_instrumental.html.

• Laboratório de Digitalização: oferece aos pesquisadores o arquivo digital do manuscrito original do compositor; aos intérpretes, oferece o mesmo arquivo digital tratado de modo a propiciar uma leitura cômoda, facilitando a divulgação do repertório musical brasileiro. As obras tratadas são incorporadas ao Banco de Partituras de Música Brasileira. Sua lista pode ser acessada pelo link http://www.abmusica.org.br/html/musicapartiturasdigitalizadas.html. Para mais informações, escrever para bancodepartituras@abmusica.org.br.

• Selo ABM Editorial: voltado para a música brasileira, compreende 20 livros, 17 catálogos de obrasde compositores, 35 títulos de CDs do Selo ABM digital e os 29 números impressos da revista Brasiliana, que terá continuidade em formato digital. Para adquirir tais produtos, acessar http://www.abmusica.org.br/html/livros.html e  http://www.abmusica.org.br/html/cds.html, ou contatar vendas@abmusica.org.br

Para mais informações: www.abmusica.org.br, abmusica@abmusica.org.br

Relação de compositores brasileiros que têm obras depositadas no Banco de Partituras da Academia Brasileira de Música. Para informação sobre as obras de cada compositor depositadas nesse Banco, consultar bancodepartituras@abm.org.br:

Alberto Nepomuceno (1864-1920)
Alceo Bocchino (1918-2013)
Alexandre Levy (1864-1892)
Alfredo Barros (1966)
Arthur Iberê de Lemos (1901-1967)
Aylton Escobar (1943)
Brenno Blauth (1931-1993)
Bruno Kiefer(1923-1987)
Calimério Soares (1944-2011)
Carlos Cruz (1936-2011)
Carlos Gomes (1836-1896)
Claudio Santoro (1919-1989)
Daniel Wolff (1967)
Deolindo Fróes (1864-1948)
Didier Guigue (1954)
Dimitri Cervo (1968)
Edino Krieger (1928)
Edmundo Villani-Côrtes (1930)
Ernani Aguiar (1950)
Ernst Mahle (1929)
Fernando Ariani (1959)
Francisco Braga (1868-1945)
Francisco Mignone (1897-1986)
Frederico Richter (1932)
Gibran Helayel (1951)
Gilberto Mendes (1922)
Glauco Velasquez (1884-1914)
César Guerra-Peixe (1914-1993)
Guilherme Bauer (1940)
Guilherme Bernstein (1968)
H. Dawid Korenchendler (1948)
Harry Crowl (1958)
Heitor Villa-Lobos (1887-1959)
Henrique Alves de Mesquita (1830-1906)
Henrique Morozowicz (1934-2008)
Henrique Oswald (1852-1931)
Ilza Nogueira (1948)
João Guilherme Ripper (1959)
Jocy de Oliveira (1936)
Jorge Antunes (1942)
José Alberto Kaplan (1935-2009)
José Antônio de Almeida Prado (1943-2010)
José Emerico Lobo de Mesquita (1746-1805)
José Guerra Vicente (1906-1976)
José Maurício Nunes Garcia (1767-1830)
José Penalva (1924-2002)
José Siqueira(1907-1985)
José Vieira Brandão (1911-2002)
Josemir Valverde (1977)
Leopoldo Miguéz (1850-1902)
Lindembergue Cardoso (1939-1989)
Lorenzo Fernândez (1897-1948)
Luís Cosme (1908-1965)
Luiz Carlos Csekö (1945)
Marcelo Rauta (1981)
Marco Antônio Machado (1983)
Marcos Nogueira (1962)
Marcos Portugal (1762-1830)
Marcus Ferrer (1963)
Maria Helena Rosas Fernandes (1933)
Mario Ferraro (1965)
Mario Ficarelli (1935)
Mário Tavares (1928-2003)
Marisa Rezende (1944)
Nelson Lin (1983)
Nestor de Hollanda Cavalcanti (1949)
Nikolai Brucher (1979)
Osvaldo Lacerda (1927-2011)
Pauxy Gentil-Nunes (1963)
Radamés Gnattali (1906-1988)
Raphael Baptista (1909-1984)
Raul do Valle(1936)
Ricardo Tacuchian (1939)
Roberto Victorio (1959)
Rodolfo Coelho de Souza (1952)
Rodrigo Lima (1976)
Rodrigo Vitta (1971)
Ronaldo Miranda (1948)
Rufo Herrera (1933)
Samir Rahme (1957)
Sérgio de Vasconcellos-Corrêa (1934)
Sergio di Sabbato (1955)
Silvia de Lucca (1960)
Tim Rescala (1961)
Turibio Santos (1943)
Vicente Alexim (1987)
Walter Burle Marx (1902-1990)

Comments

0

Leave your comment

* Name and E-mail fields cannot be empty